Dorme com a TV ligada ou com a luz acesa? Então saiba que corre um risco acrescido de obesidade, a julgar pelos dados do estudo que associa, pela primeira vez, qualquer exposição a luzes artificiais enquanto se dorme e o ganho de peso nas mulheres.

Realizado por cientistas do National Institutes of Health e publicada online na JAMA Internal Medicine, o estudo socorreu-se de questionários feito a 43.722 mulheres, com idade entre os 35 e os 74 anos, que não tinham história de cancro ou doença cardiovascular e não trabalhavam por turnos ou estavam grávidas e a quem foi perguntado se dormiam às escuras, com uma pequena luz noturna, luz fora do quarto ou a TV ligada.

Os resultados revelam que a avaliação ao peso varia consoante o nível de luz artificial a que as mulheres eram expostas durante a noite. Por exemplo, usar uma pequena luz de presença não estava associada a quilos a mais, ao contrário do que acontecia com uma luz ou a televisão ligada. Quem o fazia apresentava um risco 17% superior de ganhar cinco quilos.

“Embora o sono mau esteja, por si só, associado à obesidade e ao ganho de peso, não explica a relação entre a exposição à luz artificial e o peso”, refere Dale Sandler, um dos autores do estudo.

Chandra Jackson, especialista em sono, confirma que “os seres humanos são geneticamente adaptados a um ambiente natural que consiste em luz solar durante o dia e escuridão à noite”.

“A exposição à luz artificial à noite pode alterar as hormonas e outros processos biológicos, aumentando o risco de problemas de saúde como a obesidade.”

Dormir no escuro e sem TV, uma forma de prevenção

Os autores reconhecem que outros fatores poderem explicar as associações entre luz artificial à noite e ganho de peso, mas as suas descobertas não mudaram quando as análises foram controladas por características que podem estar associadas à exposição à luz durante a noite, como ter um cônjuge ou filhos mais velhos em casa, a raça, calorias consumidas e atividade física. 

Para Yong-Moon, outro dos autores do estudo, esta investigação sugere uma estratégia viável de saúde pública para reduzir a incidência da obesidade nas mulheres.

“A dieta altamente calórica e os comportamentos sedentários têm sido os fatores mais citados para explicar o contínuo aumento da obesidade”, afirma.

“Este estudo destaca a importância da luz artificial à noite e dá às mulheres que dormem com luzes ou a televisão ligada uma forma de melhorarem a sua saúde.”