Cerca de quatro em cada cinco pessoas que vivem com hepatite B e três em cada quatro pessoas com infeção por hepatite C na União Europeia (UE) e no Espaço Económico Europeu e Reino Unido ainda não foram diagnosticadas. Este é um grande obstáculo no caminho para o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável para a saúde em 2030, alerta o Centro Europeu para o Controlo de Doenças (ECDC).

No primeiro relatório sobre o progresso em direção à eliminação das hepatites B (HBV) e C (HCV) na UE, destacam-se as principais lacunas nos programas de prevenção na região, com uma cobertura vacinal abaixo do ideal para o HBV e níveis insuficientes de redução de danos direcionados às pessoas que injetam drogas.

O relatório mostra que faltam dados robustos para o chamado continuar do atendimento, observando o número de pessoas diagnosticadas e em tratamento e assistência na maioria dos países.

No entanto, os dados disponíveis sugerem que uma elevada proporção de pessoas que vivem com infeções por hepatite B e C parece não ser diagnosticada e que muitas das pessoas que foram diagnosticadas não estão a receber tratamento capaz de salvar vidas.

As evidências disponíveis indicam também que aqueles com alto risco de infeção, incluindo pessoas que injetam drogas e pessoas na prisão, não estão a ser efetivamente alvo de testes.

Além disso, a mortalidade relacionada com a hepatite viral é alta em toda a região e há muito pouca evidência de progresso em direção à meta de eliminação para 2030 e de uma redução de 65% na mortalidade em relação à linha de base de 2015.

“Olhando para os últimos resultados de monitoração e dados de vigilância em 2020, temos que concluir que não estamos no caminho para alcançar a meta de 2030”, destaca a diretora do ECDC Andrea Ammon por ocasião do Dia Mundial da Hepatite, que se assinala esta terça-feira.

“Para chegar lá, a Europa precisa intensificar os esforços para reduzir o número de pessoas que nunca foram testadas para hepatite B e C, sobretudo nos grupos com maior risco de infeção. As vacinas seguras e eficazes são o principal pilar para a prevenção da hepatite B. Além disso, existe um tratamento eficaz contra a hepatite, que melhora a saúde de quem a recebe. O tratamento também ajuda a impedir uma transmissão adicional. É simples: as pessoas precisam de conhecer seus status de hepatite se quisermos avançar na eliminação destas doenças até 2030.”

Meta de 2020 contra hepatite em risco

Os dados de vigilância europeus mostram a transmissão contínua da hepatite B e, apesar de um leve declínio recente, confirmam níveis anuais elevados de diagnósticos de hepatite C.

De acordo com as recentes descobertas do ECDC, apenas alguns países da UE atingiram a meta do Plano de Ação Europeu para diagnosticar 50% das pessoas com hepatite crónica em 2020.