Há quem diga que não são precisas mais do que cinco horas de sono por noite, que ressonar não vai além de um incómodo ou que basta uma bebida antes de dormir para cair no sono dos justos. Mas o que um novo estudo garante é que todos os anteriores não passam de mitos associados ao sono que, não apenas moldam os maus hábitos, mas podem também representar uma ameaça significativa à saúde pública.

Publicado online na revista científica Sleep Health, o trabalho, realizado por investigadores da Escola de Medicina da Universidade de Nova Iorque, revisitou mais de 8.000 sites para identificar as 20 crenças mais comuns associadas ao sono.

Graças a uma equipa de especialistas em medicina do sono, foram divididas entre aquelas que não passavam de mito e as que podem ter base científic,a e ainda os danos que poderiam causar.

“O sono é uma parte vital da vida, que afeta nossa produtividade, humor e saúde geral e bem-estar”, confirma Rebecca Robbins, investigadora e principal autora do estudo.

“Dissipar os mitos sobre o sono promove hábitos de sono mais saudáveis ​​que, por sua vez, promovem uma melhor saúde geral.”

Mitos associados ao sono

Mas vamos por partes. Começamos pela ideia de que se podem dormir cinco horas por noite sem que isso tenha consequências. Este é um dos principais mitos identificados pelos especialistas, que o deitaram por terra com base em evidências científicas.

Não só isto não é verdade, como é o mito que maior risco representa para a saúde. Para aqueles que acreditam que não é preciso mais ou que podem compensar as poucas horas na cama com sestas à tarde, os especialistas aconselham a criar um horário de sono consistente, aumentando pelo menos para sete horas as horas passadas na cama.

Outro mito comum diz respeito ao ressonar. E ainda que, algumas vezes, possa ser inofensivo, outras pode também ser sinal de apneia do sono, um distúrbio potencialmente grave, em que a respiração é interrompida no decorrer da noite.

Aqui, os especialistas encorajam os doentes a procurar um médico, já que esse comportamento do sono pode levar a paragens cardíacas ou outras doenças.

Beber: sim ou não?

Então e uma bebida antes de dormir, ajuda ou não a chamar o sono? Apesar das crenças em contrário, beber bebidas alcoólicas antes de dormir não surte o efeito desejado. De facto, segundo os autores do estudo, o álcool reduz a capacidade do corpo de atingir o sono profundo, que as pessoas precisam para funcionar adequadamente.

“O sono é importante para a saúde e é preciso um esforço maior para informar o público sobre este importante problema de saúde pública”, refere Girardin Jean Louis, também autor do trabalho.

“Por exemplo, ao discutir os hábitos de sono com os pacientes, os médicos podem ajudar a evitar que os mitos do sono fomentem o risco de doenças cardíacas, obesidade e diabetes.”