É a sétima causa de morte feminina no mundo. Por cá, todos os anos são diagnosticados cerca de 350 novos casos de cancro do ovário, frequentemente chamado de “assassino silencioso”, tendo em conta a inexpressividade dos seus sintomas, que faz com que o diagnóstico seja feito em estágios avançados. Por enquanto, não há um exame de sangue sensível ou específico o suficiente para fazer o rastreio. A boa notícia é que pode estar bem mais perto.

Amy Skubitz, professora da Escola de Medicina da Universidade do Minnesota, nos EUA, e a sua equipa, que se dedica à deteção precoce do cancro do ovário, têm usado uma nova tecnologia, através da qual o sangue de um doente pode ser testado para a presença de 92 proteínas de uma só vez, o que pode ser o passo necessário para criar um exame capaz de diagnosticar, de forma simples e rápida, este tipo de cancro na população em geral.

Nova tecnologia com resultados positivos

Em estudos anteriores, que usaram um pequeno número de amostras de sangue, a equipa de Skubitz já tinha confirmado que esta tecnologia funciona bem para um conhecido biomarcador do cancro do ovário, o CA125.

Examinando 150 amostras de sangue de mulheres com e sem a doença, foi possível quantificar os níveis de 92 proteínas relacionadas com o cancro no sangue de cada doente.

E foi possível também determinar que dezenas de proteínas relacionadas com cancro estavam presentes em níveis significativamente diferentes no sangue das mulheres com cancro do ovário, quando comparando com as mulheres saudáveis.

Quando foi testado um painel com CA125 e cinco proteínas adicionais, foi possível dizer se o sangue era de uma mulher com cancro do ovário ou de uma mulher saudável.

“Os resultados deste estudo levam-nos um passo mais perto de desenvolver um teste de sangue para deteção do cancro do ovário”, afirma Skubitz.

“Os estudos que estamos a desenvolver estão focados no uso de amostras de sangue de mulheres com estágios iniciais de cancro do ovário, bem como de mulheres com doenças ginecológicas benignas.”

Deteção precoce = maior sobrevida

Tendo em conta que a prevalência de cancro do ovário na população geral não é muito elevada, um teste que faça o rastreio tem de ser altamente sensível e específico. O que significa que será necessário testar muitas outras amostras de sangue para determinar se o teste se manterá fiável nos estágios iniciais da doença.

O trabalho promete continuar, até porque esta deteção precoce significaria cirurgias menos extensivas e quimioterapia menos tóxica para as mulheres diagnosticadas, traduzindo-se numa melhora significativa na sobrevida das doentes.