Crianças transmitem COVID-19, mas estudo diz que a culpa da pandemia não é delas

as crianças e a pandemia

Se é altamente provável que as crianças possam transmitir o novo coronavírus, que causa a COVID-19, vários fatores sugerem, no entanto, que é improvável que sejam estas os principais causadores da pandemia. De acordo com um novo estudo, é improvável que a abertura de escolas e jardins-de-infância tenha impacto nas taxas de mortalidade por COVID-19 em idosos.

Publicada na revista científica Acta Paediatrica, a revisão que abrangeu 47 publicações, realizada por investigadores do Karolinska Institutet, na Suécia, iliba os mais pequenos.

Até ao momento, contam-se cerca de cinco milhões de casos confirmados de COVID-19 em todo o mundo e mais de 300.000 mortes pela doença.

Muitos países implementaram bloqueios para impedir a propagação da doença e encerraram jardins-de-infância e escolas, cuja reabertura levanta questões sobre o papel das crianças na transmissão da COVID-19.

Agora, um novo estudo resume os resultados publicados sobre o tema, que sugere que “as crianças não são os principais responsáveis ​​pela pandemia de COVID-19”, confirma Jonas F Ludvigsson, pediatra do Hospital Universitário Örebro e professor do Departamento de Epidemiologia Médica e Bioestatística do Instituto Karolinska.

“É altamente provável que as crianças possam transmitir a doença, mas estudos mostram que as crianças raramente iniciam a propagação da infeção em casa.”

Na pandemia, poucos foram os surtos entre as crianças

Parece claro que mesmo as crianças assintomáticas podem apresentar cargas virais, mas os dados de um pequeno número de estudos sugerem que a carga viral é geralmente menor nos mais pequenos do que nos adultos. O que, de acordo com Ludvigsson, deve contribuir para diminuir ainda mais a transmissão da doença.

“Os estudos de caso indicaram que crianças com COVID-19 raramente causam surtos, e não observamos grandes surtos entre crianças em idade escolar na Suécia, apesar do facto de escolas e jardins-de-infância permanecerem abertos durante toda a pandemia”, acrescenta o especialista.

Posts relacionados