A situação trágica que se continua a viver em Moçambique, onde o ciclone Idai roubou a vida a mais de 600 pessoas, afetando mais de 1,8 milhões, 165 mil das quais obrigadas a abandonar as suas casas, perdendo tudo, não deixou os colaboradores da Teva Portugal indiferentes.

Desafiados a ajudar aqueles que, em Moçambique, neste momento pouco ou nada têm, os colaboradores mobilizaram-se para uma recolha de fundos que reuniu centenas de produtos enlatados, artigos de higiene e dezenas de caixas repletas de roupa, alimentos e bens, que foram depois entregues na Câmara Municipal de Lisboa, que os fará chegar ao seu destino.

Uma ajuda que não vai ficar por aqui. A Teva Portugal contactou a Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde (Infarmed), dando conta da sua disponibilidade no sentido da doação de medicamentos capazes de dar uma melhor resposta às necessidades sentidas no terreno.

Mário Madeira, Diretor-Geral do grupo TEVA em Portugal, reforça “o compromisso social da companhia e a disponibilidade, por parte de todos os colaboradores da TEVA no nosso país, para ajudar e colaborar, rápida e eficazmente, perante este tipo de catástrofes em países tão próximos historicamente de Portugal”.

País em recuperação

Recorde-se que o ciclone Ida atingiu a região centro de Moçambique no dia 14 de março. Para além dos estragos causados pela tempestade, o país luta ainda contra uma epidemia de cólera e procura controlar os casos de malária. 

Têm sido muitas as instituições e organizações nacionais que se mobilizaram para ajudar quem mais precisa, num país que luta pela recuperação, ainda distante, e que se empenha no combate às epidemias que ameaçam os sobreviventes em várias regiões de Moçambique.