Uma aplicação móvel para a gestão da doença renal crónica, uma companhia digital na jornada que é a doença renal, é o projeto da Associação Portuguesa de Insuficientes Renais que conquistou 20.000, o valor mais elevado das Bolsas de Cidadania Roche, uma iniciativa que reconhece projetos e ideias de associações de doentes e outras Organizações Não Governamentais que promovem a saúde e informação dos doentes.

A este projeto juntam-se outros cinco, todos diferentes mas com o mesmo fio condutor: o doente. Com 15.000 euros, o Instituto das Irmãs Hospitaleiras do Sagrado Coração de Jesus pretende concretizar o projeto “Saúde Mental, vamos descomplicar?”, uma iniciativa que visa a promoção da acessibilidade à informação sobre incapacidade e saúde mental, tendo como principais protagonistas pessoas com deficiência e problemas de saúde mental.

A bolsa de 10.000 euros foi atribuída à associação Alzheimer Portugal, com o projeto “Capacitação para a Literacia na área das demências”, que pretende promover a literacia sobre a área das demências através da articulação e aposta entre três ferramentas digitais em simultâneo, com vista a chegar a um público-alvo diversificado, que inclua pessoas com demência, cuidadores informais, profissionais de saúde e sociedade em geral.

Um dos três prémios de 5.000 euros foi entregue à Associação Spina Bífida e Hidrocefalia de Portugal, com o projeto “JCI-Jovens pela cidadania inclusiva”, ideia que inclui a criação de uma rede de jovens que localmente trabalhe necessidades relacionadas com a gestão da condição crónica e deficiência, bem como o acesso à informação e aos processos de tomada de decisão sobre a sua saúde.

A Associação Portuguesa da Doença Inflamatória do Intestino, Colite Ulcerosa, Doença de Crohn (APDI), conseguiu também 5.000 euros para a conceção e realização de vídeos e programas sobre a Doença Inflamatória do Intestino, com profissionais de saúde e elementos da APDI, com caráter informativo, que serão colocados num canal de YouTube e partilhados também nas redes sociais e no site da associação.

Finalmente, as Bolsas reconheceram ainda a ideia da Associação Nacional de Esclerose Múltipla, “A voz da EM”, que pretende desenvolver ações de consciencialização de participação pública nos processos de decisão na área da saúde, dotando os doentes de conhecimentos para um acesso de informação, investigação e mecanismos de participação na tomada decisões de casos relacionados com as problemáticas de saúde. Situações que, muitas vezes por desconhecimento dos procedimentos e mecanismos para a decisão, ficam sem opinião em grande escala.

Bolsas de Cidadania já apoiaram 21 projetos

Até ao momento, as Bolsas de Cidadania Roche, que contam já com cinco edições, apoiaram 21 projetos, no valor total de 195 mil euros, em área tão diversas como diabetes, Alzheimer, Parkinson, oncologia pediátrica, hemofilia, doenças raras, entre outras.

Os projetos que conquistaram uma Bolsa de Cidadania Roche foram escolhidos por um júri independente, composto por nomes conhecidos do panorama nacional , de um total de 25 candidaturas.