Seja por afonia temporária ou permanente, doenças oncológicas (cancro da tiroide ou da laringe), esclerose múltipla, Parkinson ou distúrbios psicológicos, como a ansiedade, perder a voz é perder um pedaço de nós. É para ajudar os milhões que, no mundo, são afetados por falta de voz que um grupo de investigadores portugueses pretende criar um sistema inovador para a reconstrução da voz natural.

O projeto DyNaVoiceR já arrancou, reunindo engenheiros, otorrinolaringologistas e terapeutas da fala, da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP), do CINTESIS – Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde e da Universidade de Aveiro.

“O objetivo é criar um assistente tecnológico avançado que converta sinais de fala sussurrada em sinais de fala natural”, ou seja, uma aplicação, refere ao Notícias UP Aníbal Ferreira, investigador principal e professor da FEUP.

Sistema projeta e corrige a voz

O sistema em que agora trabalham pretende ser um “amplificador modificado, mas inteligente”, capaz de projetar a voz e, ao mesmo tempo, de a corrigir.

O DyNaVoiceR surge na sequência de outros projetos na área da voz falada e cantada, como o projeto ARTTS, também liderado por Aníbal Ferreira.

Financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia, conta ainda com a participação da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC) e do Instituto de Engenharia Electrónica e Telemática de Aveiro.