E se lhe pagassem para caminhar? O que faria se lhe oferecessem uma recompensa monetária para trocar o apelo do sofá por atividade física? Aceitaria? A resposta aqui é positiva, pelo menos de acordo com um novo estudo que confirma: o incentivo para tornar as pessoas fisicamente ativas parece estar no dinheiro.

O trabalho, feito por investigadores do Instituto de Saúde Digital da Universidade de Warwick, olhou para a Sweatcoin, uma aplicação disponível para iOS e Android, que pretende incentivar as pessoas a caminhar oferecendo-lhes, para isso, uma moeda virtual, que pode ser trocada por produtos, serviços ou experiências.

E concluem que atingir o número desejado de passos diários é um pouco mais fácil para quem usa esta ‘app’, que converte o número de passos gravados no smartphone numa moeda virtual, as Sweatcoins.

A cada mil passos são geradas 0,95 Sweatcoins, que podem ser usadas para comprar produtos no mercado da aplicação e em lojas locais ou podem ser transferidas entre utilizadores.

Aumento de quase 20% na contagem dos passos

Os especialistas da Universidade de Warwick analisaram os dados diários referentes aos passos dados por 6.000 utilizadores da aplicação. E verificaram que houve um aumento médio sustentado de quase 20% na contagem diária de passos durante um período de seis meses após o registo na ‘app’, comparando com um período de três meses anterior à instalação da Sweatcoin.

A investigação revelou que, dos seis mil participantes, aqueles que foram classificados como menos ativos fisicamente e com excesso de peso apresentaram maior probabilidade de aumentar a sua contagem diária de passos ao usar a ‘app’. O que significa que a Sweatcoin estava a ter impacto numa faixa importante da população.

“Ao analisar os dados diários da contagem de passos de uma amostra de utilizadores da Sweatcoin e combiná-los com dados de outras pessoas pudemos identificar quais os tipos de utilizadores que mostraram uma maior mudança em termos do aumento da atividade física usando a ‘app'”, explica Mark Elliott, professor assistente do Instituto de Saúde Digital. 

“Incentivar as pessoas a caminhar mais é fundamental para melhorar os níveis de atividade física sustentada”, refere Anton Derlyatka, cofundador da Sweatcoin.

“No entanto, as ideias tradicionais, como fornecer mais educação ou descontos, simplesmente não funcionam. A Universidade de Warwick descobriu que uma economia baseada no movimento com a Sweatcoin estabelece uma motivação sustentada, para as pessoas serem mais ativas”, acrescenta.

“Para uma população cada vez mais sedentária, que enfrenta uma crise de obesidade e bem-estar, estas são descobertas significativas.”