É fã de chá verde? Então esta é uma boa notícia para si. Ou pode vir a ser. É que um novo estudo confirmou que este tipo de chá reduziu a obesidade e vários biomarcadores inflamatórios associados a problemas de saúde… em ratinhos.

A investigação foi, para já, apenas realizada nestes animais, alimentados com uma dieta composta por 2% de extrato de chá verde. Mas os dados confirmam que estes apresentaram muito melhores resultados que os restantes, o que indicia os potenciais benefícios do chá, sobretudo para as pessoas com risco elevado de diabetes e doenças cardíacas.

Publicado no Journal of Nutritional Biochemistry, o estudo “fornece evidências de que o chá verde estimula o crescimento das bactérias intestinais boas, e isso leva a uma série de benefícios que diminuem significativamente o risco de obesidade”, explica Richard Bruno, principal autor do estudo e professor de nutrição humana na Universidade Estadual de Ohio, nos EUA.

Resolver uma questão antiga

Alterações negativas no microbioma intestinal já tinham sido associadas à obesidade, tendo o chá verde demonstrado ser capaz de promover a existência de bactérias saudáveis.

A equipa de investigadores queria confirmar se o chá verde se pode associar à prevenção da obesidade, inflamação e outros fatores relacionados com a uma má saúde metabólica, refere o especialista.

“Os resultados dos estudos que avaliaram a gestão da obesidade têm sido, até agora, uma verdadeira mistura. Alguns parecem confirmar que o chá verde ajuda na perda de peso, mas muitos outros não mostraram nenhum efeito, provavelmente devido à complexidade da dieta. O nosso objetivo é descobrir como é que o chá pode evitar o ganho de peso”, acrescenta.

“Isso levará a melhores recomendações de saúde.”

Resultados apontam vantagens

É longa e rica a história de consumo de chá verde nos países asiáticos, bebida que tem sido cada vez mais adotada no Ocidente, em parte devido aos seus potenciais benefícios para a saúde.

Catequinas e polifenóis anti-inflamatórios encontrados no chá verde têm sido associados à atividade anticancerígena e menor risco de doença cardíaca e hepática.

A suspeita de Richard Bruno e dos colegas, de que o chá verde pode prevenir a obesidade e proteger contra a inflamação no intestino, levou-o a examinar os efeitos deste chá em ratos alimentados com uma dieta normal e níveis elevados de gordura, destinados a causar obesidade. 

Durante oito semanas, metade dos animais ingeriram uma dieta rica em gorduras, misturada com extrato de chá verde, enquanto a outra metade foi alimentada com uma dieta regular. 

Em seguida, pesou-se e avaliou-se o tecido adiposo, a resistência à insulina e outros fatores que incluíam a permeabilidade do intestino, a resistência à insulina ou a composição dos micróbios intestinais.

Os ratos alimentados com uma dieta rica em gordura e com o suplemento de chá verde ganharam cerca de 20% menos peso e tiveram menor resistência à insulina do que os ratos alimentados com uma dieta idêntica, sem chá.

Estes ratos apresentavam também menos inflamação no tecido adiposo e no intestino.

Os investigadores confirmaram que o chá verde parece contribuir para uma comunidade microbiana saudável nos intestinos dos animais.

Novos estudos a caminho

Richard Bruni está atualmente a trabalhar num estudo humano que irá explorar os efeitos do chá verde no intestino de pessoas com síndrome metabólica, um problema que predispõe à diabetes tipo 2 e doenças cardíacas.

Por enquanto, afirma, é muito cedo para extrapolar as descobertas feitas e aplicá-las às pessoas. Mas o especialista confirma a esperança de que investigações futuras sejam capazes de determinar se beber chá verde é uma boa estratégia para aqueles que desejam reduzir a sua probabilidade de se tornarem obesos.