Muitas das mulheres que querem perder peso já as experimentaram, aquela montanha russa em forma de dietas que até conseguem eliminar alguns quilos, mas que falham na promessa de mundos e fundos. Resultado: no final das mesmas os quilos estão de volta. Conhecidas como dietas ioiô, não só não resultam, como podem aumentar o risco de problemas cardiovasculares nas mulheres.

A afirmação é dada por um estudo, apresentado esta semana numa sessão científica da American Heart Association, que avaliou as flutuações de peso e concluiu que, de facto, as dietas ioiô podem prejudicar a saúde do coração.

“Ter um peso saudável é geralmente recomendado para um coração com saúde, mas manter a perda de peso é difícil”, confirma em comunicado Brooke Aggarwal, autora do trabalho. “E as flutuações no peso podem dificultar a obtenção desse ideal de saúde cardiovascular”, acrescenta.

IMC longe do desejado

Para perceber o impacto deste tipo de dietas, que fazem perder peso, mas de uma forma sustentada, os investigadores reuniram um grupo de 485 mulheres, com uma idade média de 37 anos.

A maioria das mulheres (73%) relatou pelo menos um episódio de perda de peso com dieta ioiô. E, para estas, a avaliação permitiu verificar que 82% apresentavam menos probabilidade de ter um índice de massa corporal (IMC) ideal (entre 18,5 e 25) e 51% menos hipótese de um IMC classificado como moderado.

O trabalho promete continuar, com os investigadores apostados em percebe, através de um estudo de cinco a dez anos, “se estes resultados se mantêm, analisando os efeitos de longo prazo”.