Os benefícios de andar sem sapatos

Porque deve deixar os seus filhos andar sem sapatos

Por Saúde Infantil

O que é que faz melhor às crianças: andar com ou sem sapatos? É certo que os sapatos fazem falta, mas de acordo com um novo estudo, há benefícios que o calçado não consegue proporcionar aos mais pequenos.

Publicado na revista Frontiers in Pediatrics, a investigação verificou que as crianças e os adolescentes que passam a maior parte do seu tempo descalços têm diferentes habilidades motoras do que aqueles que habitualmente usam sapatos.

Trata-se do primeiro trabalho a avaliar a associação entre o crescimento e os pés descalços, assim como o impacto da ausência de sapatos no equilíbrio e desempenho motor durante diferentes fases da infância e adolescência.

E que mostra que crianças que andam normalmente sem sapatos são melhores a saltar e têm mais equilíbrio, sobretudo entre os 6 e os 10 anos.

Embora estes efeitos benéficos diminuam com o crescimento, o trabalho destaca, no entanto, a importância do exercício de pés descalços para o desenvolvimento motor, à medida que as crianças crescem.

Crianças calçadas vs crianças descalças

“Andar descalço é considerado mais natural, e há muito que se tem discutido o uso de calçado, entendido como um fator que influencia a saúde dos pés e o desenvolvimento de padrões de movimento”, explica Astrid Zech, professora na Universidade de Jena, na Alemanha, líder do estudo.

“Alguns trabalhos relatam que estar descalço muda a biomecânica em crianças e adultos durante as corridas e os saltos, mas o conhecimento e relevância clínica destes dados não é muita”, acrescenta, justificando o que levou a sua equipa a debruçar-se sobre o tema. 

Foi por isso que decidiram avaliar três habilidades motoras – o equilíbrio, salto em distância e a corrida – em 810 crianças e adolescentes de 22 escolas primárias e secundárias de uma zona rural da África do Sul e de áreas urbanas do norte da Alemanha.

Os dois grupos foram selecionados para representar diferentes estilos de vida e de hábitos de calçado: de um lado crianças habituadas a andar descalças; do outro as que raramente o fazem.

E os primeiros obtiveram resultados mais elevados nos testes de equilíbrio e salto, diferença observada em todas as faixas etárias (dos 6 aos 10, 11 aos 14 e 15 aos 18 anos), mas sobretudo evidente nas crianças entre os 6 e os 10 anos.

“A maioria das crianças das escolas primárias da África do Sul, que participaram no nosso estudo, vai à escola e realiza atividades desportivas e de lazer descalça”, refere Ranel Venter, da Universidade de Stellenbosch, outros dos participantes no trabalho.

“A nossa descoberta de que estas crianças tiveram um melhor desempenho no equilíbrio e no salto vai de encontro à hipótese de que o desenvolvimento de habilidades motoras básicas durante a infância e adolescência depende, pelo menos parcialmente, de atividades regulares descalças.”

Calçado apenas à frente na corrida

Os resultados para o teste de corrida, no entanto, foram diferentes. Aqui, as crianças habitualmente calçadas tiveram melhor desempenho, particularmente aquelas na faixa etária dos 11 aos 14 anos. Algo que, segundo os investigadores, pode ter tido a ver com o ambiente.

“Na África do Sul, o teste de corrida realizou-se ao ar livre, com diferentes condições climatéricas. Em contraste, as crianças alemãs fizeram o teste de velocidade num pavilhão desportivo”, afirma Zech.

“O tipo de sapatos também pode ter influenciado os resultados. Os estudantes sul-africanos usam calçado escolar, enquanto os estudantes alemães usam ténis nas suas aulas de educação física.”

Mensagem para os pais

No geral, este estudo enfatiza os benefícios de atividades físicas sem sapatos para o desenvolvimento motor.

“Aulas de educação física, exercícios e programas desportivos, assim como atividades recreativas que visam melhorar as habilidades motoras básicas podem beneficiar da inclusão de atividades sem sapatos”, diz Zech.

“Os pais também podem incentivar horas em casa sem sapatos.”