risco genético associado ao cancro da mama

Novo estudo fornece o mapa mais abrangente de sempre sobre risco genético de cancro da mama

Por | Cancro

Mais de 350 ‘erros’ do ADN, que aumentam o risco genético de cancro da mama, foram descobertos na sequência de um grande estudo internacional sobre a genética associada a este tumor. De acordo com os cientistas que fizeram a descoberta, oriundos de mais de 450 departamentos e instituições em todo o mundo, esses erros podem influenciar até 190 genes, o que enfatiza a complexidade desta doença.

Ler Mais

cancro da mama

Campanha nacional celebra os avanços na luta contra o cancro da mama

Por | Cancro

Graças aos avanços da ciência, a realidade associada ao cancro da mama é, hoje, diferente. E diferente é aqui melhor. Para assinalar esta diferença, traduzida em sucessos, a Liga Portuguesa contra o Cancro (LPCC) apresenta a campanha de sensibilização e informação “Inovação pela vida”, à qual se juntam nomes como Adelaide de Sousa, André Nunes, Carla Ascenção, Catarina Raminhos, Gonçalo Diniz, Joana Seixas, João Moleira, Mónica Sofia, Nucha, Patrícia Bull, Sofia Cerveira , Vera Dias Pinheiro.

Ler Mais

cancro da mama avançado

Doentes com cancro da mama avançado sem acesso a medicamentos que lhes prolongam a vida

Por | Cancro

A sobrevida dos doentes com as formas mais comuns de cancro da mama avançado poderia ser substancialmente melhorada se estes tivessem acesso a um grupo de medicamentos já disponíveis. O alerta é de um grupo de especialistas internacionais, feito no encerramento da 5.ª Conferência Internacional de Consenso sobre Cancro da Mama (ABC5), que decorreu em Lisboa.

Ler Mais

cancro avançado

A melhor forma de dizer aos doentes com cancro avançado quanto tempo vão viver

Por | Cancro

A maioria dos doentes com cancro quer saber se a doença é curável e muitos também querem saber quanto tempo vão viver. Mas os médicos que dão aos doentes com cancro da mama em estado avançado uma estimativa de quanto tempo têm de vida apenas são precisos 20 a 30% das vezes, revela Belinda Kiely, oncologista e investigadora sénior da Universidade de Sydney, na Austrália, que sugere uma alternativa.

Ler Mais