campanha apela ao exercício físico

Iniciativa nacional quer por os portugueses a praticar exercício físico

Por Nutrição & Fitness

Para muitos portugueses, a prática de exercício físico costuma ser sinónimo de investimento, não só de tempo, mas dinheiro. A nova campanha nacional quer deitar por terra este mito e lança um desafio: “Siga o Assobio”.

A Direção-Geral da Saúde (DGS) junta-se ao Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ), com o apoio da Federação Portuguesa de Futebol, para mostrar aos portugueses que praticar exercício físico pode ser fácil, acessível e entusiasmante.

“Uma grande parte da população adulta portuguesa tem dificuldades em integrar a prática de exercício físico no seu dia a dia. Segundo o Eurobarómetro, a falta de tempo e de motivação são duas das principais razões apresentadas”, lê-se no comunicado da DGS.

“Tendo em conta que é esta faixa da população que assume atualmente as decisões familiares e que continuará a ser agente social nos próximos 15-20 anos, o investimento na prevenção e determinantes da sua saúde é uma prioridade para a sociedade e sustentabilidade do Serviço Nacional de Saúde (SNS)”, acrescenta.

Por isso, “Siga o Assobio” quando estiver à espera do elevador, preferindo as escadas ou quando estiver sentado no sofá sem nada para fazer, trocando-o por uma caminhada. Porque “todos os dias, há muitos momentos de glória que esperam por si. Para os encontrar, não é preciso estar em forma, não é preciso equipamento especial, não é preciso mais tempo…”

Avaliação da adesão ao exercício físico 

Uma campanha que se apresenta como inovadora, uma vez que é sustentada por um protocolo formal de avaliação de impacto, fazendo jus às melhores práticas nesta área. Ou seja, finda a mesma, irá ter lugar uma avaliação, que irá considerar todos os objetivos: reconhecimento e afinidade, atitudes e crenças, motivações e intenção, sendo os resultados preliminares apresentados no último trimestre de 2019.

campanha incentiva ao consumo de água

Água, a mega bebida protagonista de uma campanha nacional

Por País

É uma “mega bebida”, capaz de manter o “rendimento físico em alta”, “a performance lá em cima” ou “o foco no máximo”. Uma bebida tão importante que até merece uma campanha de incentivo ao seu consumo. Consegue adivinhar qual é? A resposta é simples: a água.

E se, para alguns, beber água é simplesmente natural, ainda há quem beba pouco e quem a troque por outras bebidas.

Situação que justifica o lançamento pela Direção-Geral da Saúde (DGS), em parceria com a Associação Portuguesa dos Industriais de Águas Minerais Naturais e de Nascente, de uma campanha de comunicação.

O objetivo é “promover o consumo de água como parte integrante de uma alimentação saudável”,  lê-se no comunicado da DGS.

Isto “alinhada com o programa de saúde prioritário na área da promoção da alimentação saudável e com a Estratégia Integrada para a Promoção da Alimentação Saudável”.

Com o slogan “Água | A Nova Mega Bebida”, os protagonistas da campanha nacional são as figuras públicas Vanessa Oliveira, Isaac Alfaiate, Diogo Amaral e Maria Cerqueira Gomes.

Promover o consumo de água

Promover a saúde é uma das prioridades do XXI Governo Constitucional, “através de uma nova ambição para a Saúde Pública”.

Aqui, defende-se “que a obtenção de ganhos em saúde resulta da intervenção nos vários determinantes”, salientando-se como fundamental a política de promoção de uma alimentação saudável”.

Conscientes de que “a mudança de comportamentos se consegue, em grande parte, com educação”, o Governo defende uma aposta na literacia.

E, neste sentido, em campanhas nacionais de promoção de saúde pública, que se traduzem em melhores comportamentos e estilos de vida dos portugueses. Com reflexos na saúde de todos.

Bebe o suficiente?

A água representa cerca de 60-70% da composição corporal, sendo o principal constituinte celular. Encontra-se também envolvida no transporte dos nutrientes e em inúmeras reações metabólicas do organismo.

De acordo com as recomendações oficiais, os homens adultos devem ingerir 2,5 litros de água por dia. Este valor baixa para os dois litros diários no caso das mulheres.