pressão alta associada a idas ao WC

Viagens constantes ao WC durante a noite? Atenção que pode ser pressão alta

Por Bem-estar

As viagens constantes aos WC durante a noite, mais do que um incómodo, podem ser sinal de outra coisa, revelam os dados de um novo estudo. Podem significar que sofre de pressão alta.

“O nosso estudo indica que, se precisar de urinar durante a noite – a chamada noctúria – pode ter pressão arterial elevada e/ou excesso de líquidos no corpo”, afirma Satoshi Konno, autor do estudo Watari, apresentado no 83º Encontro Científico Anual da Sociedade Japonesa de Circulação.

“Se continuar a ter noctúria, pela ao seu médico para verificar a sua pressão arterial e ingestão de sal.”

Relação comprovada

Investigações anteriores, realizadas no Japão, associaram uma elevada ingestão de sal à noctúria. Este estudo pretendeu agora avaliar outra relação, a das idas frequentes à casa de banho com a hipertensão na população japonesa em geral.

Para isso, envolveu 3.749 residentes de Watari, a quem foi medida a pressão arterial e recolhidas informações sobre a noctúria através de um questionário. 

E os dados confirmaram a teoria: a noctúria (um ou mais eventos de noctúria por noite) foi significativamente associada à hipertensão após o controle de possíveis fatores de confusão.

“Descobrimos que levantar-se durante a noite para urinar estava associado a uma probabilidade 40% superior de ter hipertensão”, afirma Konno. “E quanto mais visitas ao WC, maior o risco de hipertensão.”

Dos 1.882 participantes que responderam ao questionário, 1.295 (69%) apresentaram noctúria. Konno refere que os resultados não provam uma relação causal entre a noctúria e a hipertensão e podem não ser replicáveis em todas as populações, mas ainda assim fica o alerta.

De acordo com Barbara Casadei, da Sociedade Europeia de Cardiologia, “mais de mil milhões de pessoas têm pressão alta em todo o mundo. A hipertensão arterial é a principal causa global de morte prematura, responsável por quase dez milhões de mortes em 2015”.

Por isso, as diretrizes da Sociedade recomendam o uso de medicamentos para reduzir o risco de AVC e doenças cardíacas. “Um estilo de vida saudável também é recomendado, incluindo restrição de sal, moderação do consumo de álcool, alimentação saudável, exercícios regulares, controlo de peso e cessação do tabagismo”.

resolver problemas intestinais

Uma solução simples capaz de resolver os problemas intestinais comuns

Por Bem-estar

Se é dos que sente suores frios só de pensar na hora de ir à casa de banho, se faz parte do grupo que se ‘espreme’ a cada ida ao WC e que espera e desespera por um alívio que nunca parece completo, este texto é para si. Sabemos que o tema pode não ser o preferido, por motivos óbvios. Mas nem tudo é mau. O tema mereceu a atenção de um grupo de investigadores da Universidade de Ohio, nos EUA, que descobriu que a solução para os problemas intestinais mais comuns pode ser tão simples como… pôr os pés em cima de um banquinho.

O assunto também não é novo. Mas a verdade é que apesar de muito se falar nestas técnicas, que se têm tornado conhecidas através de vídeos virais e posts nas redes sociais, “não havia realmente nenhuma evidência médica para mostrar se são eficazes ou não”, afirma Peter Stanich, professor assistente de gastroenterologia, hepatologia e nutrição naquela instituição.

“Este estudo mostra que estes dispositivos simples [os banquinhos] podem ajudar no alívio de sintomas como obstipação e inchaço e podem ajudar as pessoas a terem movimentos intestinais mais confortáveis ​​e eficazes.”

Maioria confirma melhoria no WC

Publicado no Journal of Clinical Gastroenterology, o estudo foi realizado com voluntários saudáveis. No entanto, 44% relatavam um aumento de esforço na altura de ir ao WC e quase um terço confirmava a existência de problemas para esvaziar completamente os intestinos.

No fim do estudo de quatro semanas, 71% dos participantes apresentavam movimentos intestinais mais rápidos e 90% relataram menos esforço.

“É importante reforçar que, na conclusão do estudo, dois terços dos participantes disseram que iriam continuar a usar o banco”, afirma o investigador.

A culpa é da posição

É tudo uma questão de posição. Segundo explica Peter Stanich, a mais natural para os movimentos intestinais é de cócoras. A posição na sanita cria uma curva no reto, que torna mais difícil as evacuações completas.

“Os movimentos intestinais são temas difíceis de falar”, afirma Rachel Shepherd, fisioterapeuta do Centro Médico Wexner, em Ohio, especializado no tratamento de distúrbios do pavimento pélvico.

“Mas se houver algo tão simples como mudar a posição, adicionando um banquinho, essa é uma correção fácil que qualquer pessoa pode fazer.”