Castigos físicos tornam as crianças mais agressivas

Por Saúde Infantil

Um estudo, publicado na revista da Associação Médica do Canadá, confirma o que já se suspeitava: que os castigos físicos podem prejudicar o desenvolvimento das crianças.

O tema é recorrente. Há vários anos que se estuda o assunto, se elaboram teorias e partilham opiniões, muitas delas divergentes: de um lado quem defenda que uma palmada ajuda a disciplinar os mais pequenos; do outro os que se opõem a esta prática que, de resto, já foi proibida em mais de 50 países.

Foi em duas décadas deste tipo de trabalhos que os especialistas canadianos pegaram. E foi também neles que encontraram uma relação entre as palmadas e um grau mais elevado na agressividade infantil.

Ou seja, quanto mais repreendida fisicamente é uma criança, maior será a sua tendência para repetir o gesto na altura de resolver os seus problemas, revelam os especialistas da Universidade de Manitoba, no Canadá. A esta questão juntam-se outras, como a probabilidade de uma saúde e desenvolvimento social deficiente.

Para quem defende este tipo de castigos fica outra informação, a de que nenhum dos estudos avaliados foi capaz de encontrar benefícios a longo prazo de punir fisicamente as crianças. E ainda que este tipo de ação possa corrigir um comportamento numa determinada situação, os efeitos negativos que pode vir a ter no futuro ultrapassam em muito qualquer lado aparentemente positivo.