Projeto de autoajuda para jovens com hemofilia vence bolsa de 20 mil euros

Por Marque na Agenda

O júri já selecionou os seis vencedores das Bolsas de Cidadania Roche, uma iniciativa que reconhece projetos e ideias de associações de doentes e outras Organizações Não Governamentais que promovem a saúde e informação dos doentes e que, este ano, recebeu um número recorde de candidaturas.

O vencedor do 1º prémio, com uma bolsa no valor de 20.000 euros, foi a Associação Portuguesa de Hemofilia e de Outras Coagulopatias Congénitas, com o projeto “Ver o futuro”, destinado a jovens com hemofilia entre os 14 e 28 anos, o projeto visa, com o recurso das novas tecnologias, criar uma rede de auto-apoio e ajudar esta faixa etária a encarar de forma saudável a sua patologia crónica.

O 2ºprémio, de 15.000 euros, foi entregue à Alzheimer Portugal, para a campanha “Amigos na Demência”, que visa aumentar a compreensão sobre a demência no País e convidar os portugueses a comprometerem-se ativamente na melhoria do dia-a-dia das pessoas com demência.

A Associação Desportiva Padel Sem Barreiras, com o projeto “Padel Adaptado – Prática Desportiva para TODOS e sem barreiras”, conquistou o 3º Prémio, no valor de 10.000 euros, destinados a dinamizar a prática de padel a todos os portadoras de deficiência motora e/ou intelectual, promovendo a sua melhoria de qualidade de vida e integração no património mais valioso de uma país, a sociedade.

Júri escolheu seis ideias

Os projetos escolhidos foram divulgados a 02 de abril, numa cerimónia que contou com a participação dos elementos do júri – Maria de Belém Roseira (presidente da Comissão de Revisão da Lei de Bases da Saúde), Graça Freitas (diretora-geral da Saúde), Maria do Céu Machado (presidente do Infarmed), padre José Pereira de Almeida (coordenador nacional da Pastoral da Saúde), Henrique Luz Rodrigues (ex-presidente do Infarmed), Vera Lúcia Arreigoso (jornalista do Expresso) e Miguel Sanches (diretor Médico da Roche).

Presentes estiveram também representantes de várias dezenas de associações de doentes e do apresentador Jorge Gabriel, que falou sobre a importância de iniciativas como esta, tendo partilhado a sua experiência pessoal na área da cidadania.

De entre as 42 candidaturas apresentadas na edição deste ano, a 4º desde início do projeto, foram ainda escolhidos:

4º Prémio (5.000 euros) – Associação Portuguesa de doentes de Parkinson (“PROGRAMA COGWEB MOVE IT”) – Aplicar um protocolo de intervenção utilizando em simultâneo exercícios cognitivos e motores para doentes de Parkinson;

5º Prémio (5.000 euros) – Fundação Rui Osório de Castro (“Renovação PIPOP – Portal de Informação Português de Oncologia Pediátrica”) – restruturação do PIPOP, que passa, entre outras, por uma alteração da linguagem de programação e modernização do layout/design geral do portal;

6º Prémio (5.000 euros) – Raríssimas – Associação Nacional de Deficiências Mentais e Raras (“Corpo e Mente em Movimento”) – promover o conhecimento e sensibilizar para as demências em geral, e em particular das raras.

Bolsas já apoiaram 15 projetos

Dado o grande número de submissões nos anos anteriores, a Roche decidiu criar mais uma bolsa e aumentar, em 2018, o financiamento total do projeto para  60 mil euros. Até ao momento, as Bolsas de Cidadania Roche já apoiaram 15 projetos, no valor total de 135 mil euros, em área tão diversas como diabetes, oncologia pediátrica, hemofilia, doenças Raras, entre outras.

As seis bolsas destinam-se a financiar projetos e ideias capazes de fomentar a participação dos cidadãos e dos doentes nos processos de decisão em saúde, de informar os doentes dos seus direitos de acesso à informação e ao envolvimento nas decisões individuais de tratamento. Serão ainda valorizados os projetos que abordem a temática do cancro, doença de Alzheimer e outras demências, esclerose múltipla ou hemofilia.

Esta ação enquadra-se na Política de Responsabilidade Social da empresa e resulta do seu compromisso em assumir um papel ativo na sociedade apoiando, de forma transparente, iniciativas inovadoras e orientadas para a missão de suporte ao doente.