Colírio para evitar a cegueira

Investigadores estão a um passo de criar colírio para tratar principal causa de cegueira

Por Investigação & Inovação

Os cientistas estão a um passo de desenvolver um medicamento capaz de revolucionar o tratamento da Degenerescência Macular Relacionada com a Idade, a principal causa de cegueira no mundo.

A sua prevalência está a aumentar dramaticamente com o envelhecimento da população, estimando-se que, até 2020, haverá cerca de 200 milhões de pessoas em todo o mundo com Degenerescência Macular Relacionada com a Idade (DMI).

Atualmente, a DMI é tratada com recurso a injeções, capazes de salvar a visão no olho, e que devem ser administradas por profissionais da área médica. Mas os cientistas da Universidade de Birmingham, liderados pela bioquímica Felicity de Cogan, criaram um método que permite administrar a medicação em forma de colírio.

Publicada na revista Investigative Ophthalmology & Visual Science, a investigação mostrou, em ratos, que estes colírios têm um efeito terapêutico semelhante ao do medicamento injetado. Agora, vão mais além, procurando avaliar esse mesmo efeito nos olhos de animais maiores, como coelhos e porcos, que são mais semelhantes aos olhos humanos.

Ensaios clínicos podem começar já em 2019

A equipa procura agora prover o conceito, para confirmar a validade da abordagem terapêutica, devendo os ensaios clínicos começar já na primavera de 2019.

“Durante muitos anos, a nossa equipa concentrou-se no desafio de levar os medicamentos ao fundo do olho”, explica Felicity de Cogan.

Agora, salienta a importância de transformar o medicamento injetável em gotas, o tornaria “menos caro, mais rápido para doentes e profissionais de saúde”, reduzindo ainda “o potencial para complicações que podem surgir a partir das injeções”.