noctívagos em maior risco

Noctívagos têm risco acrescido de diabetes e doenças do coração

Por Bem-estar

Costuma deitar-se tarde? É daqueles que aproveita a noite para fazer tudo que não conseguiu durante o dia? Então saiba que ser noctívago lhe pode prejudicar a saúde.

Na primeira revisão internacional de estudos sobre o tema, um grupo de investigadores verificou que são cada vez mais as evidências que indicam um maior risco de problemas de saúde nas pessoas mais ativas durante a noite, que são também aquelas que apresentam padrões alimentares menos saudáveis.

Noctívagos comem pior

A ciência já confirmou que o corpo humano funciona num ciclo de 24 horas, regulado pelo nosso relógio interno, conhecido como ritmo circadiano. Um relógio que ainda que não marque as horas, se encarrega de definir quando comemos, dormimos e acordamos. E que é também responsável pela preferência natural por acordar cedo ou ir dormir mais tarde.

Agora, os investigadores encontraram evidências que apontam para um maior risco de doenças cardíacas e diabetes tipo 2 entre os noctívagos.

De resto, quem costuma ir para a cama mais tarde tem também tendência a ter dietas menos saudáveis, ingerir mais bebidas alcoólicas, bebidas com cafeína, consumir mais açúcar e fast food do que os madrugadores.

Relatam, de uma forma consistente, padrões alimentares mais erráticos. Porque se levantam tarde, o pequeno-almoço é substituído por uma refeição tardia; a sua dieta contém menos leguminosas, cereais e vegetais e fazem menos refeições, ainda que aquelas que consumam sejam maiores. 

Bebem mais café e fazem mais lanches, o que ajuda a explicar porque é que têm um risco superior de doenças crónicas.

Risco aumentado de diabetes

O risco de diabetes tipo 2 é também mais alto, uma vez que o ritmo circadiano influencia a forma como a glicose é metabolizada no organismo.

Ou seja, os níveis de glicose diminuem naturalmente ao longo do dia e atingem o seu ponto mais baixo durante a noite. No entanto, como os noctívagos costumam comer pouco antes de dormir, os seus níveis de glicose aumentam quando estão prestes a ir para a cama e isso pode afetar negativamente o metabolismo, uma vez que o seu corpo não está a seguir o processo biológico normal.

Os números confirmam mesmo que os mais ativos à noite têm um risco 2,5 vezes maior de ter diabetes tipo 2 do que aqueles que preferem as manhãs.

Algo com impacto nas pessoas que trabalham por turnos, sobretudo os rotativos, uma vez que isso as obriga a estar constantemente a ajustar o seu relógio biológico.

Preferências que mudam ao longo da vida

Mas nem todos os noctívagos nasceram assim, revelam os estudos, que esclarecem que as preferências mudam ao longo do ciclo de vida. O tipo madrugador é mais comum entre as crianças, situação que os pais bem conhecem, e pode surgir logo a partir das três semanas de vida.

Algo que vai mudando durante a infância. Senão veja-se: aos dois anos, 90% dos mais pequenos são adeptos do acordar com o nascer do sol; aos seis, a percentagem baixa para 58%.

Na adolescência, a preferência muda e começam a dominar as tendências noctívagas, algo que se mantém até que se atinjam os 50 anos, idade a partir da qual se começa a adotar a máxima do deitar cedo e cedo erguer.

“Dívidas de sono” cobradas ao fim de semana

Os investigadores confirmam também que as ‘corujas’ acumulam o que chamam de “dívidas de sono” durante a semana de trabalho, fatura que é ‘cobrada’ aos fins de semana, altura em que, para compensar, dormem mais tempo.

Suzana Almoosawi, especialista do Centro de Investigação sobre Cérebro, Desempenho e Nutrição da Universidade britânica de Northumbria, e principal autora desta revisão, confirma que “os genes, etnia e género determinam a probabilidade de uma pessoa ser do tipo matutino ou vespertino”.

E confirma também que, “na idade adulta, ser uma ‘coruja’ está associado a um maior risco de doença cardíaca e diabetes tipo 2, e isso pode ser potencialmente devido ao pior comportamento alimentar”.

“Nos adolescentes, verificamos também que o relógio biológico noturno está associado a um comportamento alimentar mais errático e a uma dieta mais pobre. Isso pode ter implicações importantes para a saúde na vida adulta, já que a maioria dos hábitos alimentares é estabelecida na adolescência.”