riscos na roupa

Há químicos escondidos na roupa que podem prejudicar a saúde

Por Bem-estar

Basta olhar para as etiquetas da roupa que vestimos para perceber que os países de origem são, não raras vezes, os mesmos. Seja oriunda da China, Índia ou Bangladesh, o facto é que a roupa nasce de um processo de produção que recorre a químicos, que podem fazer bem pior do que apenas uma alergia. O alerta é dados em forma de não um, mas vários estudos, que se debruçaram sobre o tema.

São sobretudo os corantes as substâncias mais poluente para o meio ambiente e mais prejudiciais para a saúde dos trabalhadores das fábricas de têxteis. Corantes que, já confirmou a ciência, podem causar danos no ADN.

Num dos estudos mais recentes sobre o tema, publicado na revista Chemosphere e citado pela agência SINC, um grupo de cientistas analisou o Acid Black 10 (AB10B), muito usado na produção de têxteis, couro e estampas, em busca dos seus aspetos toxicológicos. E conclui que “a exposição dos seres humanos à libertação deste composto no ambiente pode causar efeitos adversos devido à sua atividade nociva para o ADN”.

Porque mesmo depois de concluído o fabrico das peças muitos destes compostos permanecem na roupa, uma equipa de investigadores do Laboratório de Toxicologia e Saúde Ambiental da Universidade espanhola Rovira i Virgili analisou o que acontece quando o consumidor é exposto a estes tecidos.

E conclui que, para além das reações alérgicas na pele, há outros problemas, como aquele que identifica no estudo publicado na revista Environmental Research, que confirma que, sob certas condições de uso, algumas peças podem mesmo apresentar riscos para a saúde que não se encontram adequadamente refletidos na legislação sobre produtos têxteis, como cancro e outras doenças.