medicamentos para animais

Boas práticas na área dos medicamentos para animais em debate

Por Saúde Animal

Tendo em conta as novas regras europeias referentes aos medicamentos para animais e também a preocupação crescente com a saúde animal, a Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica de Medicamentos Veterinários (APIFVET) decidiu promover, no próximo dia 19 de março, o seminário “Mais-valia das regras de ‘compliance’ na indústria farmacêutica de medicamentos veterinários”.

Ler Mais

Desafios sobre os cuidados de saúde na mulher em debate

Por Cancro

A prevenção do cancro do colo do útero e os rastreios pré-natais são temas que vão estar em destaque no Women’s Health Symposium, evento que vai ter a sua 2ª edição no próximo sábado, dia 27, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa.

A iniciativa, organizada pela Roche, conta com a presença de especialistas nacionais e internacionais para debaterem a evolução e a realidade dos cuidados na saúde da mulher.  

O rastreio do cancro do colo do útero será o tema em análise na primeira parte do simpósio, cobrindo assuntos como os desafios da colposcopia, o papel dos biomarcadores emergentes e a antevisão do rastreio do cancro do colo do útero na próxima década.

Ainda que a introdução da vacina contra o vírus do papiloma humano se tenha configurado como uma nova forma de controlar a doença, o rastreio mantém-se como um elemento essencial na luta contra o cancro do colo do útero, especialmente tendo em consideração que a vacina não cobre todos os tipos de HPV de alto risco.

É por isso que a definição das estratégias de rastreio ganha cada vez mais destaque, tendo em conta que, em Portugal, o rastreio ainda tem uma implementação assimétrica e considerando também a existência de desafios humanos, técnicos e económicos que vão estar em debate no encontro.

Entre eles, a necessidade de aplicar ferramentas para melhor a eficiência do rastreio, a adesão do público-alvo a esse mesmo rastreio, que pode exigir a criação de campanhas de sensibilização ou a aplicação de dispositivos que permitam a autocolheita, algo que já se faz em algumas zonas do País.

Experiência testa autocolheita feita em casa

É na região Centro que se realiza um estudo, com o objetivo de aumentar a participação no rastreio do cancro do colo do útero, através da autocolheita e, desta forma, contribuir para melhor a saúde da mulher.

De acordo com informação partilhada pela Administração Regional de Saúde do Centro, o projeto, designado “Rastreio do Cancro do Colo do Útero em casa”, é dirigido a 800 mulheres, escolhidas aleatoriamente do universo das que não realizam o rastreio há quatro ou mais anos, convidando-as, por carta, a participar.

Caso aceitem,recebem em casa um estojo para a auto colheita de fluido cervicovaginal, que é depois enviado para laboratório, em envelope pré-pago.

gestores dos hospitais debatem o modelo atual

Gestores dos hospitais europeus juntam-se em Portugal para debater modelo atual

Por País

Numa época de desafios na área da saúde, um dos seus protagonistas, os hospitais, pela voz dos seus administradores, vão discutir as dificuldades e conquistas do setor, no 27th European Association of Hospital Managers (EAHM) Congress, que este ano se realiza em Portugal.

Entre os dias 26 e 28 próximos, os mais prestigiados especialistas internacionais vão debater a redefinição do papel dos hospitais, cujo modelo de organização tem mais de 50 anos.

Um modelo que, segundo Alexandre Lourenço, Presidente da Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares (APAH), “tem vindo a descurar as alterações que têm sido sentidas a nível de inovação tecnológica, digital, e dos perfis demográficos da população, sendo que, em muitos aspetos, ainda se continua a seguir a atividade pela tradição ou pelo costume, em detrimento do conhecimento”.

O especialista considera que “o modelo organizacional é cada vez mais visto como não confiável, inseguro e propenso ao erro e não é esse o rumo que queremos seguir. Os gestores de serviços de saúde necessitam de ser dotados de maiores conhecimentos e competências, passando necessariamente pela profissionalização e avaliação transparente”.

Um tema de importância acrescida para Portugal, “porque quando tentamos evoluir e acompanhar as tendências internacionais somos travados pela restrição financeira e falta de autonomia imposta aos hospitais públicos”.

Debate para além do setor

Para debater todas as matérias fulcrais que permitam “desenvolver um novo método de gestão de serviços de saúde focado nas pessoas, nas suas expectativas e necessidades, e em todos stakeholders”, o evento apresenta um programa que inclui cinco sessões principais, variados cursos e workshops e conta com mais de uma centena de intervenientes.

Comissão Europeia, Organização Mundial de Saúde e Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico são apenas algumas das instituições que vão estar representadas no congresso, uma vez que, explica Alexandre Lourenço, “os desafios que enfrentamos como setor não podem ser somente respondidos por nós. Temos de envolver outros parceiros da rede social e da saúde para, em articulação, promovermos e implementamos estratégias inovadoras, e ao mesmo tempo realistas, de saúde populacional”.

Hospitais à procura da inovação

Os organizadores do congresso prepararam ainda, em parceria com a Agência Nacional de Inovação, e com o apoio da Enterprise Europe Network e da Comissão Europeia, dois momentos que promovem a cooperação entre empresas inovadoras e os hospitais: “a iniciativa Hospital Innovation Brokerage Event, onde teremos startups a apresentar as suas ideias de negócios e a iniciativa eHealthRoadshow 2018, com pequenas e médias empresas de toda a Europa a ser aconselhadas por um painel de reputados peritos europeus”.

Este ano, o Congresso fará, pela primeira vez, o envolvimento dos países de língua portuguesa através do workshop “Gestão em saúde nos países de língua portuguesa”.

Este momento será pioneiro na criação de laços de cooperação, na gestão em saúde, nos Países de Língua Portuguesa, tal como a implementação de um fórum de discussão participativo e de uma plataforma comum que promova a partilha de experiências e de boas práticas, na gestão em saúde, no seio da qual possam ser geradas sinergias futuras.