pedidos de desculpa

Pense duas vezes antes de obrigar o seu filho a pedir desculpa. A justificação está aqui

Por Saúde Infantil

Se é dos que costuma obrigar os seus filhos a pedir desculpa quando estes não estão para aí virados, saiba que pode estar a fazer mais mal do que bem. Ou seja, pode fazer com que a criança fique a gostar ainda menos daquele a quem tem de pedir desculpa. 

De acordo com um novo estudo, isto acontece porque o essencial de um pedido de desculpas, expressar remorso e reparar relacionamentos, deixa de existir, sendo substituído pela obrigação. 

Realizado por investigadores da Universidade do Michigan, o trabalho avaliou se as crianças distinguem entre as expressões de remorso voluntariamente dadas e aquelas que são fruto da coação. E a resposta é positiva.

Conclusão: explorar formas de ajudar as crianças a aprender a ter empatia pela vítima, garantindo assim um pedido de desculpas sincero, é muito mais construtivo do que simplesmente as obrigar.

“Certifique-se de que a criança entende porque é que a outra pessoa se sente mal, e certifique-se de que está realmente pronta para dizer ‘desculpa'”, explica Craig Smith, investigador daquela instituição.

“Coagir o seu filho a pedir desculpas vai-lhe sair pela culatra.”

Crianças sabem quando as desculpas são forçadas 

Craig Smith e a sua equipa observaram como as crianças de quatro a seis anos avaliavam três tipos de cenários de desculpas: as espontâneas, os pedidos solicitados, mas feitos de bom grado, e as desculpas coagidas.

E verificaram que os mais pequenos viam de igual forma as desculpas voluntárias, fossem estas solicitadas ou não.

Mas já as desculpas forçadas, essas não foram vistas com bons olhos, sobretudo pelos miúdos com idades entre os sete e os nove.

Ainda que todas as crianças acreditassem que os transgressores se sentiam mal depois do pedido de desculpas, já aquelas com idade entre os sete e os nove achavam que os maus sentimentos dos que pediam desculpa de forma coagida estavam enraizados no interesse próprio, ou seja, na preocupação com a punição, por exemplo.

O que fazer

Como é que os pais podem ajudar os seus filhos pequenos a responder com empatia depois de incomodar outra pessoa e apresentar um pedido de desculpas voluntário?

A resposta é dada pelo especialista: “quando o seu filho estiver calmo, ajude-o a ver como a outra pessoa se está sentir e porquê”.

Até porque, acrescenta, “um pedido de desculpas é uma forma de o fazer, mas existem muitas maneiras. Várias investigações mostram que mesmo as crianças no pré-escolar valorizam quando alguém corrige a sua ação. Às vezes isso é mais poderoso do que palavras”.