médicos para os doentes crónicos

PICASO, a inovação ao serviço dos doentes crónicos

Por Investigação & Inovação

São cada vez mais os doentes que acumulam problemas de saúde. E mais serão os doentes crónicos, resultado do envelhecimento populacional. Doentes que precisam de tratamento médico prestado por vários especialistas. Como fazer com que a informação seja partilhada por todos os envolvidos é o desafio, ao qual o projeto europeu PICASO quer responder.

PICASO, ou Abordagem Personalizada de Cuidados Integrados para Organizações de Serviços, está a criar ferramentas e modelos de cuidados, tem como base uma plataforma web, que visa a partilha de informações entre os diferentes especialistas médicos envolvidos no tratamento e a ajuda aos doentes na gestão dos seus problemas de saúde.

O objetivo é melhorar a comunicação entre todos os atores envolvidos no tratamento, permitindo que cardiologistas, reumatologistas, radiologistas, médicos de clínica geral, fisioterapeutas, enfermeiros e familiares dos doentes partilhem informações de forma mais eficaz.

Vantagens para médicos e doentes

As vantagens são muitas e às já descritas junta-se o empowerment dos doentes crónicos, resultado do acesso às informações sobre seu estado de saúde pessoal.

Isto porque a plataforma disponibiliza o plano de cuidados individuais do doente e as atividades planeadas para um dia específico. Por exemplo, quando deve ser tomada uma medicação específica ou feita uma medição da pressão arterial.

O doente pode também ter lembretes para atividades planeadas, assim como visualizar os resultados das medições feitas em forma de gráficos.

Para os médicos, é possível descobrir rapidamente quais os outros profissionais de saúde que estiveram envolvidos no tratamento do doente e quais as informações de diagnóstico já disponíveis, podendo usar o programa para configurar planos de cuidados.

Testes com doentes de Parkinson

O programa, nas suas múltiplas vertentes, está a ser alvo de testes, em Roma, com doentes com Parkinson e os seus familiares, que podem usar um tablet para aceder ao painel do doente, por exemplo, para verificar se confirmou todas as tarefas necessárias do dia.

“Queremos descobrir se este tipo de aplicação pode ajudar os cuidadores nas suas tarefas”, explica Henrike Gappa, um dos investigadores do projeto.