apanhar mentiras pelo nariz

Apanhar um mentiroso pelo nariz? Sim, é possível

Por Investigação & Inovação

Não seria bom identificar uma mentira tão facilmente como na clássica história do Pinóquio, que via o nariz crescer cada vez que dizia uma peta? O princípio é um pouco diferente, mas um grupo de cientistas da Universidade de Granada avança um solução que tem como indicador o mesmo, ou seja, o nariz.

Na vida real, este não cresce quando mentimos. Mas arrefece. Sim, leu bem. Há um fenómeno, conhecido por ‘Efeito Pinóquio’, que consiste na descida da temperatura do nariz entre 0,6 e 1,2º C quando se mente, ao mesmo tempo que a temperatura da testa aumenta (entre 0,6 a 1,5ºC).    

Por isso, os investigadores desta instituição espanhola testaram um novo método, baseado na técnica de termografia, para identificar mentirosos, que é mais exato e apresenta um nível de eficácia que chega aos 80%, mais 10% que o famoso polígrafo e com menos falsos positivos.

“Quando mentimos, a temperatura da ponta do nariz desce e a da testa aumenta”, explica Emilio Gómez Milán, investigador principal do projeto. “Quanto maior for a diferença na mudança de temperatura entre as duas regiões da testa, mais provável é que a pessoa esteja a mentir.”

Isto porque, quando alguém mente, o seu corpo produz uma resposta emocional, a ansiedade, que se manifesta através da temperatura do nariz. “Mas produz-se também uma resposta cognitiva, porque para mentir temos que pensar, planificar as nossas desculpas, analisar o contexto… e isso provoca uma carga cognitiva ou uma forte necessidade de controlar a atenção, que se traduz num aumento da temperatura da testa”, acrescenta o especialista.

Ou seja, “para mentir há que pensar e, por isso, a temperatura da testa sobe. Mas também nos põe nervosos, algo que provoca uma descida da temperatura do nariz”.

Combinar técnicas é o melhor remédio

Claro que, reforça o especialista, é preciso distinguir a mentira no contexto do laboratório e na vida real. Quando a polícia é envolvida, utiliza questionários que aumentam a capacidade de detetar um mentiroso.

Por isso, Gómez Milán considera que “o ideal é combinar as técnicas”, fazer entrevistas utilizando a termografia e a entrevista.

Até porque “não há nenhum método eficaz a 100%, porque a diferença entre verdade e mentira é quantitativa, não qualitativa. Mas com este método conseguimos aumentar a exatidão e reduzir os ‘falsos positivos'”.