protetores solares

Infarmed assegura qualidade dos protetores solares usados em Portugal

Por Bem-estar

A garantia é dada pelo Infarmed: os protetores solares vendidos em Portugal têm qualidade e são seguros. Em comunicado, a Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde deixa a certeza, resultado de 245 ensaios, que analisaram 35 protetores solares.

“Do ponto de vista laboratorial, os 35 produtos analisados apresentaram um fator de proteção solar correspondente à categoria declarada na embalagem. Em plena época de verão, a proteção solar é essencial para prevenir queimaduras solares”, revela aquele organismo.

Com fatores de proteção solar entre 30 e 50 +, as amostras de produtos foram colhidas entre maio e junho de 2019, em diversos pontos da cadeia de distribuição, nomeadamente  distribuidores e locais de venda ao público, como farmácias e supermercados.

“Tendo em consideração a importância dos protetores solares em termos de saúde pública e a sua utilização por um elevado número de consumidores em Portugal, de todas as faixas etárias, foi planeada e implementada em 2019, à semelhança do que já aconteceu em anos anteriores, uma ação de supervisão do mercado de protetores solares. Esta campanha consistiu na determinação do fator de proteção solar (FPS ou SPF, Sun Protection Factor), na avaliação laboratorial da qualidade microbiológica e na análise da rotulagem dos respetivos produtos”, avança o Infarmed.

Conselhos para um melhor uso dos protetores solares

Para garantir que os protetores solares cumprem os seus objetivos, é essencial que todas as zonas da pele expostas ao sol sejam protegidas. O protetor solar deve ser o indicado para o tipo de pele de cada indivíduo e só os protetores com fator de proteção solar acima de 30 têm proteção elevada, aconselha, reforçando que entre seis e 10 é baixa e entre 15 e 25 é média.

O protetor deve ser colocado de duas em duas horas e após nadar ou transpirar, porque a água e o suor reduzem a sua eficácia.

O uso destes produtos não exclui medidas de proteção adicionais, como o uso de chapéu, guarda-sol e óculos de sol. Nas horas de maior calor, entre as 12 e as 16 horas, a exposição solar deve ser evitada, mesmo nos dias nublados, já que as radiações atravessam as nuvens e podem provocar queimaduras.

Para prevenir queimaduras solares e, a longo prazo, cancro da pele, basta ter alguns cuidados antes e durante a exposição solar, como usar sempre um protetor solar com um fator de proteção adaptado ao tipo de pele, sem esquecer que o rosto necessita geralmente de um fator de proteção maior do que o escolhido para o corpo.

Há que usar o protetor solar diariamente, nas áreas mais expostas ao sol, aplicar o protetor solar 20 a 30 minutos antes de cada exposição solar, evitar a exposição solar entre as 12 e as 16 horas, reaplicar sempre o protetor solar a cada duas horas e após nadar e transpirar.

Não se esqueça de usar óculos de sol, chapéus e bonés que ajudam a proteger o rosto, lábios e olhos e não expor crianças muito pequenas diretamente ao sol.