A perda de olfato e paladar é um dos sintomas mais comuns da Covid-19. Agora, um novo estudo garante que esta perda pode durar até cinco meses após a infeção. O trabalho vai ser apresentado na 73ª Reunião Anual da Academia Americana de Neurologia, realizada virtualmente entre 17 e 22 de abril.

“Embora a Covid-19 seja uma doença nova, pesquisas anteriores mostraram que a maioria das pessoas perde o olfato e o paladar nos estágios iniciais da doença”, refere o autor do estudo, Johannes Frasnelli, da Universidade de Quebec em Trois-Rivieres, no Canadá.

“Queríamos ir mais longe e ver quanto tempo dura essa perda de cheiro e paladar e quão severa é em pessoas com Covid-19.”

O estudo envolveu 813 profissionais de saúde com teste positivo para a Covid-19. Cada pessoa preencheu um questionário online e um teste para avaliar o seu paladar e olfato em média cinco meses após o diagnóstico, tendo classificado os seus sentidos de paladar e cheiro numa escala de 0 a 10 (zero significa nenhum sentido, e 10 um forte sentido de paladar ou olfato).

Resultado: os especialistas descobriram que a pessoa comum não recupera totalmente o olfato.

Um total de 580 pessoas perderam o olfato durante a doença inicial. Desse grupo, 297, ou seja 51%, disseram ainda não ter recuperado a capacidade de cheirar cinco meses depois, enquanto 134 participantes (17%) tiveram perda persistente do olfato. Em média, as pessoas classificaram o seu olfato em sete em dez após a doença, em comparação com nove em dez antes de adoecerem.

No que diz respeito ao paladar, 527 perderam-no na fase inicial. Deste grupo, 200 pessoas, ou seja, 38%, disseram não ter recuperado o paladar cinco meses depois, enquanto 73 pessoas (9%) apresentaram perda persistente de sabor.

“Os nossos resultados mostram que um sentido de olfato e paladar prejudicado pode persistir em várias pessoas com Covid-19”, diz Frasnelli. “Isso enfatiza a importância de acompanhar as pessoas que foram infetadas e a necessidade de estudos adicionais para descobrir a extensão dos problemas neurológicos associados à doença.”