Uma operação pan-europeia destinada ao combate ao tráfico ilícito online e offline de medicamentos falsificados, com o apoio da Europol, culminou com a detenção de 165 suspeitos na Bélgica, Chipre, Finlândia, França, Grécia, Hungria, Itália, Portugal, Eslováquia, Espanha, Ucrânia e Reino Unido, assim como à apreensão de cerca de 36 milhões de unidades de medicamentos.

No grupo dos medicamentos apreendidos encontravam-se pseudoefedrina, medicamentos anticancerígenos, anti-histamínicos, ansiolíticos, medicamentos para a disfunção erétil, reguladores hormonais e metabólicos, narcóticos, analgésicos, antivirais, entre outros, anuncia a polícia europeia em comunicado.

Ao todo, 12 grupos criminosos organizados foram desmantelados, tendo sido recuperados cerca de 1,5 milhões de euros em ativos e 7,9 milhões de euros em moeda.

Europol partilha preocupação

Continua a crescer o tráfico de medicamentos na União Europeia (UE), o que preocupa as autoridades, revela a Europol, que fala em medicamentos oncológicos roubados de hospitais.

De acordo com aquela força policial, a Ásia continua a ser a principal região de origem de medicamentos e produtos antidoping, com os medicamentos a serem desviados da cadeia legal de fornecimento e revendidos a grupos criminosos.

Obtidos ilegalmente através de receitas médicas falsificadas ou roubadas, com ou sem a ajuda de médicos e farmacêuticos, os medicamentos são depois revendidos diretamente a grupos ou indivíduos criminosos, sendo os medicamentos falsificados e as substâncias dopantes fabricados e embalados ilegalmente em laboratórios subterrâneos, frequentemente na UE.