biotecnologia

60% das empresas de biotecnologia de Portugal dedicam-se à saúde

Por País

A Associação Portuguesa de Bioindústria (P-BIO) apresentou o plano estratégico Bio-Saúde 2030. E deu ainda a conhecer os novos resultados do estudo de caracterização do setor da biotecnologia em Portugal, que refere que, das empresas que por cá desenvolvem investigação e desenvolvimento em biotecnologia, cerca de 60% são dedicadas à biotecnologia médica, sendo as restantes 40% dedicadas à biotecnologia aplicada à bioeconomia (agroindústria, floresta, mar, industrial ou ambiental). 

Ler Mais

bio

P-BIO quer fazer de Portugal a Fábrica da Europa para a Saúde

Por País

Posicionar Portugal como um centro de Investigação e Desenvolvimento em Biotecnologia e Ciências da Vida e um pilar estratégico da capacidade de produção na União Europeia (UE), fazendo do nosso país a Fábrica da Europa para a Saúde, é o objetivo do plano estratégico Portugal Bio-Saúde 2030, acabado de lançar pela Associação Portuguesa de Empresas de Bioindústria (P-BIO).

Ler Mais

livro das doenças raras

Tudo sobre doenças raras num livro branco lançado em Portugal

Por Marque na Agenda

É um livro único, que fala sobre um tema também ele único e raro. Porque é ainda muito o desconhecimento sobre as doenças raras, a P-BIO – Associação Portuguesa de Empresas de Bioindústria, que reúne várias empresas ligadas ao setor da biotecnologia e lifescience, prepara-se para apresentar o Livro Branco das Doenças Raras e dos Medicamentos Órfãos em Portugal.

Ler Mais

evento sobre biotecnologia

Evento nacional quer ajudar as startups de ciências da vida a ter sucesso

Por Marque na Agenda

Quais os passos que as startups portuguesas na área da biotecnologia devem dar, para atingir o sucesso? A resposta será dada a 16 e 17 de outubro, em Braga, no Healthcare Business Summit, um evento onde, ao longo de dois dias, oito das mais inovadoras empresas portuguesas estarão em destaque, podendo apresentar-se a uma plateia de especialistas internacionais e de potenciais investidores.

Ler Mais

biotecnologia e inovação

Biotecnologia é a 5.ª área tecnológica com mais patentes em Portugal

Por País

Considerado um dos setores prioritários para a competitividade da economia nacional, o setor da biotecnologia apresenta elevada capacidade de inovar e de difundir inovação, cenário confirmado pelo Estudo de Caracterização do Setor da Biotecnologia, apresentado no BIOMEET, que revela que a biotecnologia é, em Portugal, a 5.ª área tecnológica com mais patentes – na Europa dos 28, este setor não vai além da 15.ª posição.

Em Portugal, de acordo com o estudo, o setor conta atualmente com mais de 80 empresas que têm a biotecnologia como atividade primária, às quais se juntam outras 100 que a têm como atividade secundária.

E, do total de empresas analisadas, 24% estão associadas a publicações de patentes: entre 2000 e 2019, foram submetidas por estas empresas um total de 369 patentes. Ao todo, 25% das empresas com registo de patentes são responsáveis por 80% das patentes registadas.

“Setor mais maduro e a dar os seus frutos”

O sector tem registado um crescimento expressivo. A título de exemplo, entre 2011 e 2017 o crescimento de empresas com biotecnologia como atividade primária foi de 102%. No mesmo intervalo de tempo, o crescimento de emprego foi de 125%.

“Este estudo demonstra que o sector da biotecnologia está muito mais maduro e a dar os seus frutos. No entanto, o potencial de crescimento é enorme até chegar ao nível dos países líderes, como a Dinamarca ou Holanda”, afirma Filipe Assoreira, presidente da P-Bio.

“Certo é que estes países começaram muito mais cedo o seu investimento nesta área. A P-Bio continuará a apoiar as empresas  e a criar estes tipo de estudos para que as empresas e instituições Portuguesas possam ter ferramentas para defender o investimento no nosso ecossistema.”

Numa altura em que está a comemorar os seus 20 anos de atividade, a P-Bio volta a realizar o BIOMEET, dedicado à temática dos medicamentos órfãos e ao balanço dos seus últimos anos em Portugal, onde se apresentou também o “Livro Branco dos Medicamentos Órfãos”.

setor da biotecnologia

Estudo traça cenário sobre setor da biotecnologia em Portugal

Por Marque na Agenda

A apresentação do Livro Branco dos Medicamentos Órfãos e de um estudo que caracteriza o setor da biotecnologia em Portugal estão em destaque em mais um encontro da P-BIO, Associação Portuguesa de Bioindústria, que vai juntar especialistas nacionais e internacionais para discutir 20 anos de medicamentos órfãos em Portugal.

No dia 7 de maio, o BIOMEET dedica a manhã à temática dos medicamentos órfãos e ao balanço dos seus últimos anos em Portugal.

Para isso, é promovido um painel de discussão com a presença de Luís Brito Avô, do Centro Hospitalar Lisboa Norte, José Aranda da Silva, ex-presidente do Infarmed e Joaquim Brites, presidente da Associação Portuguesa de Neuromusculares.

Uma sessão onde será apresentado o Livro Branco dos Medicamentos Órfãos, que vai contar também com uma apresentação sobre terapia genética.

Durante a tarde, Eurico Brilhante Dias, Secretário de Estado da Internacionalização, Daniel Traça, diretor da NOVA SBE e Filipe Assoreira, presidente da P-Bio, vão dar o pontapé de saída para um debate sobre os 20 anos da associação e da biotecnologia em Portugal.

A apresentação da perspetiva europeia da Biotecnologia e do estudo de caracterização do setor da biotecnologia em Portugal, por João Carlos Cerejeira, da Universidade do Minho fazem ainda parte do programa, que finaliza com um debate de balanço dos últimos 20 anos de biotecnologia em Portugal e com a discussão das perspetivas futuras.

Em antecipação a este evento, a P-BIO, em parceria com o BioData.pt, organiza ainda, a 6 de maio, o Fórum BioData.pt Empresas, um fórum de gestão avançada de dados para a criação valor que vai juntar quatro empresas nacionais com atividade ligada ao sector da saúde, do mar, da agricultura e da bioindústria, que irão partilhar a sua experiência e necessidades em relação à gestão e utilização de biodados.

Haverá ainda lugar a uma discussão aberta com a audiência sobre as potencialidades de utilização de ferramentas de bioinformática para maximizar o potencial dos biodados, com vista à criação de valor.