mais casos de sarampo na Europa

Número de casos de sarampo triplicou na Europa em 2018

Por Bem-estar

Há vários anos que os números não eram tão altos: em 2018, o sarampo matou 72 crianças e adultos na região europeia, revela a Organização Mundial de Saúde (OMS).

De acordo com os dados disponíveis, foram 82.596 as pessoas que, em 47 dos 53 países desta região, contraíram a doença. Os dados referentes às hospitalizações revelam que, em pelo menos dois terços dos casos (61%), as complicações obrigaram mesmo a um internamento.

O número total de pessoas infetadas com o vírus em 2018 foi o mais alto nesta década: três vezes mais que em 2017 e 15 vezes mais do que em 2016.

Número de crianças vacinas a crescer

Nem tudo são, no entanto, más notícias. As crianças estão a ser vacinadas contra o sarampo mais do que nunca, progresso que continua a ser desigual entre e dentro dos países, deixando desprotegidos grupos crescentes de populações suscetíveis, o que teve como resultado um número recorde de pessoas afetadas pelo vírus em 2018.

Dados que leva, a OMS a apelar aos países europeus para que direcionem as suas intervenções para os lugares e grupos onde persistem falhas na vacinação.

De facto, o surto de casos de sarampo em 2018 seguiu-se a um ano em que a Região Europeia alcançou a maior cobertura estimada para a segunda dose de vacinação contra o sarampo (90% em 2017). Foram mais as crianças, em 2017, com as duas doses da vacina no prazo definido, do que em qualquer ano desde que a OMS começou a recolher estes dados, em 2000.

A cobertura com a primeira dose da vacina também aumentou ligeiramente, para 95%, o nível mais alto desde 2013.

O quadro de 2018 deixa claro que o ritmo atual de progresso no aumento das taxas de imunização será insuficiente para impedir a circulação do sarampo”, refere a propósito Zsuzsanna Jakab, diretora regional da Europa.

“Embora os dados indiquem uma cobertura vacinal excecionalmente alta a nível regional, também refletem um número recorde der pessoas afetadas e mortas pela doença. Isto significa que as lacunas a nível local ainda oferecem uma porta aberta para o vírus”, acrescenta.

“Precisamos de fazer mais e melhor proteger cada pessoa contra doenças que podem ser facilmente evitadas.”

Os países com mais casos

Entre janeiro e dezembro de 2018, os países com mais casos de sarampo foram:

  • Ucrânia (53.218)
  • Sérvia (5.076)
  • Israel (2.919)
  • França (2.913)
  • Itália (2.517)
Camas no hospital

Vinte e um casos confirmados de sarampo no Norte

Por Atualidade

As autoridades de saúde nacionais confirmaram a existência, desde 9 de março, de 21 casos de sarampo na região Norte, tendo sido recebidas 51 notificações de casos suspeitos.

No último boletim epidemiológico, a Direção-Geral da Saúde (DGS) indica que as situações confirmadas reportam-se a adultos, 19 profissionais de saúde, quatro não estavam vacinados, três tinham vacinação incompleta e quatro um esquema vacinai desconhecido.

Dos 21 casos confirmados, quatro encontram-se atualmente internados em unidade hospitalar e, adicionalmente, está internado um caso a aguardar confirmação laboratorial.

35 mortes por sarampo na região europeia em 2017

A DGS recorda que o sarampo é uma das doenças infeciosas mais contagiosas, podendo provocar doença grave, principalmente em indivíduos não vacinados e que têm sido vários os surtos de sarampo em alguns países europeus, como Grécia, Roménia, França, Itália e, mais recentemente, no Reino Unido, devido à existência de comunidades não vacinadas.

Em 2017, foram 35 as mortes na região europeia na sequência da doença, uma das quais em Portugal.

A vacinação é a principal medida de prevenção, sendo gratuita e administrada principalmente em unidades do Serviço Nacional de Saúde.

Tendo em conta a aproximação da primavera e do verão, período em que os movimentos internacionais de cidadãos são mais intensos e o risco de contrair a doença é maior, a DGS recomenda que todas as unidades de saúde devem estar alerta para o diagnóstico precoce de casos de sarampo.