tratar o cancro retal

Vigiar em vez de operar poderá ser melhor estratégia em 20% dos casos de cancro retal

Por Cancro

Uma equipa de médicos e cientistas do Centro Clínico Champalimaud, em Lisboa, e do Instituto de Cancro dos Países Baixos, em Amesterdão, mostrou que os doentes com cancro retal ‘baixo’ (muito próximo do ânus) que não apresentam qualquer sinal do tumor após um tratamento com radio e quimioterapia podem escolher, com segurança, adiar intervenções cirúrgicas invasivas e sujeitas a complicações.

Ler Mais