como ser feliz

Quer ser feliz? Este curso gratuito ensina o segredo

Por Bem-estar

Chama-se Psychology and the Good Life (Psicologia e Vida Boa, em português) e é um curso que ensina, nem mais, a ser feliz. E se o tema o faz desconfiar, o facto de ser o mais popular da história da universidade onde é lecionado, a prestigiada Universidade de Yale, deita por terra qualquer dúvida que possa existir. O melhor de tudo? É gratuito e feito online.

“Neste curso, será envolvido numa série de desafios criados para aumentar sua própria felicidade e construir hábitos mais produtivos”, lê-se na descrição do mesmo.

Ministrado por Laurie Santos, professora de psicologia de Yale e diretora do Laboratório de Conhecimento Comparativo, o curso revela conceções erradas sobre a felicidade, as características irritantes da mente que nos levam a pensar como pensamos e a investigação que pode nos ajudar a mudar.

Findo o curso, a garantia é de ser capaz de incorporar com sucesso uma atividade específica de bem-estar.

Porque é que as nossas expectativas são tão más, como podemos superar os nossos preconceitos, pôr as estratégias em prática são alguns dos temas em destaque, lecionados ao longo de 10 semanas.

Ser feliz já motivou mais de mil inscritos 

Ao todo, 1.118 pessoas já se matricularam no curso, número que confirma a popularidade conquistada por esta temática. Contas feitas, um em cada quatro estudante de Yale frequentou estas aulas.

O conteúdo é todo ele em inglês e as aulas incluem vídeos, a leitura de várias obras, assim como trabalhos para casa, o mesmo é dizer, atividades diárias que ajudam a desenvolver e manter hábitos de felicidade.

Por ser online, permite que cada aluno decida quando e como quer aceder às aulas, que são gratuitas. No entanto, para aqueles que não passam sem um certificado, este pode ser adquirido, no momento da conclusão, por cerca de 50 dólares.

mindfulness ajuda a combater o stress

Curso de mindfulness quer ajudar a reduzir stress dos médicos

Por Marque na Agenda

Não é um curso para toda a gente. De facto, os destinatários são apenas os médicos, enfermeiros e outros profissionais de saúde. É para estes que a Faculdade de Medicina da Universidade do Porto decidiu criar um curso diferente, que tem como missão ajudar a gerir o stress destes profissionais.

‘Mindfulness em Contextos de Saúde’ vai ser ministrado ao longo de 28 horas, estando abertas as candidaturas até ao final deste mês.

Um tema que não é novo, ainda que, por cá, esteja a dar os primeiros passos. De resto, lê-se na página da internet que explica tudo sobre as candidaturas, “desde 1979 que o Mindfulness foi introduzido com êxito nos EUA como meio terapêutico para diferentes problemas psicológicos e em diferentes contextos”.
 
Começou por ser destinado apenas às “pessoas com elevados níveis de ansiedade, depressão e dor crónica”, tendo depois sido aplicada aos profissionais de Saúde.
 
“A eficácia de abordagens Mindfulness e os mecanismos neurobiológicos subjacentes têm sido demonstrados em publicações cujo número tem aumentado exponencialmente, ultrapassando as 600 apenas no ano de 2016.”

Dois terços dos médicos em risco de burnout

O curso nasce de uma necessidade, tendo em conta que “os profissionais de saúde são uma população particularmente sujeita a desgaste emocional”, sendo elevadas as “incidências de problemas de stress nesta população”.
 
É isso que justifica a sua criação e justifica também que seja direcionado aos profissionais de saúde, vítimas de stress e burnout. De acordo com os dados nacionais mais recentes, dois terços dos médicos em Portugal admitem estar em elevado estado de exaustão emocional, um dos indicadores relevantes associados ao stress profissional crónico.
 
Neste curso, o objetivo é “desenvolver as competências, conhecimentos e atitudes necessárias para, através da prática pessoal, teoria e aplicações do Mindfulness, promover a Saúde Mental holística e ambiental e o bem-estar pessoal”, assim como ajudar numa gestão adequada do stress, dando-se a conhecer as diferentes técnicas disponíveis.