leite materno

As “bactérias boas” presentes no leite materno mudam ao longo do tempo

Por Investigação & Inovação

O conjunto de bactérias benéficas transmitido da mãe para o bebé através do leite materno muda significativamente com o tempo e pode atuar como uma injeção de reforço diária para a imunidade e o metabolismo dos mais pequenos, revela um estudo, realizado conduzida por cientistas de Montreal e Guatemala e publicado na revista Frontiers in Microbiology.

Ler Mais

bebés a beber leite

Bebidas não lácteas podem ser perigosas para os bebés

Por Saúde Infantil

Leite de amêndoa, leite de soja, leite de aveia, leite de arroz… É grande a opção de bebidas não lácteas disponíveis à venda um pouco por todo o lado. Mas substituir o leite materno ou artificial por uma destas bebidas antes do ano de idade pode pôr em risco a saúde dos bebés.

O alerta vem de um estudo, publicado na Acta Paediatrica, uma publicação internacional na área da pediatria, que resulta de um breve questionário eletrónico enviado a 310 pediatras franceses. E de acordo com os dados recolhidos, foi possível identificar 34 crianças que sofreram de complicações médicas, entre 2005 e 2015, durante o tempo em que consumiram bebidas não lácteas.

Os especialistas deixam, desta forma, o aviso para os perigos da substituição do leite materno ou das fórmulas artificiais destinadas aos bebés, por uma bebida não láctea.

O risco das bebidas não lácteas 

Nos casos que foram identificados por este trabalho, as bebidas alternativas tinham na sua base amêndoas, castanhas, arroz e soja.

Ao todo, um terço das crianças com problemas apresentava desnutrição, ou seja, falta de nutrientes essenciais. A este juntavam-se ainda outros problemas, salientados por Julie Lemale, principal autora do estudo, e especialista do Hospital Trousseau, em Paris, França.

Entre as situações clínicas identificadas encontravam-se um comprometimento da altura e do peso, anemia, hipoalbuminemia (baixa concentração de albumina no corpo), hiponatremia (baixa concentração de sódio no sangue), convulsões e baixos níveis de vitamina D.