Financiamento de 750 mil euros para cinco projetos da UC que vão estudar várias doenças

projetos

Cinco projetos do Centro de Neurociências e Biologia Celular da Universidade de Coimbra (CNC-UC) vão contar com financiamento de cerca de 750 000 euros da Autoridade de Gestão da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro,  através do Programa Operacional CENTRO2020. Uma verba que vai contribuir para investigações relacionadas com a doença de fígado gordo não alcoólico, a doença de Machado-Joseph e com a utilização de exossomas (pequenas vesículas) para fins terapêuticos.

O projeto relacionado com a doença de fígado gordo não alcoólico vai ser conduzido por Paulo Oliveira, investigador do CNC-UC e pretende efetuar uma prova de conceito relativa ao uso de uma nova molécula, AntiOXBEN2, ainda em fase de investigação pré-clínica, para o tratamento desta doença, que tem vindo a crescer nas últimas décadas e que afeta cerca de um quarto da população mundial. O projeto resulta de um consórcio entre o CNC-UC, a empresa Mitotag e a Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, que desenvolveu a molécula em causa.

Para o estudo de exossomas, Lino Ferreira, investigador do CNC-UC, vai coordenar um projeto que tem como foco a utilização destas pequenas vesículas, naturalmente existentes no organismo, como sistemas de libertação de fármacos para fins terapêuticos.

Os restantes três projetos têm um foco comum, a doença de Machado-Joseph, uma doença neurodegenerativa rara, com prevalência em Portugal, mas ainda sem cura. Luís Pereira de Almeida, professor da Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra e presidente do CNC-UC, coordena um destes projetos, que visa encontrar uma terapia para esta doença, através de ferramentas de edição genética.

Há ainda um projeto liderado pela investigadora do CNC-UC Magda Santana, que pretende desenvolver um biomarcador (identificador biológico) para monitorização da progressão da doença Machado-Joseph e para avaliar a resposta a terapias em estudos intervencionais e um terceiro, coordenado por Rui Jorge Nobre, também investigador do CNC-UC, que tem como propósito o desenvolvimento de modelos celulares e animais para doenças de poliglutaminas, como é o caso da doença de Machado-Joseph, recorrendo a um estojo de vetores virais criado no CNC-UC.

Cada um dos cinco projetos vencedores, tem a duração aproximada de um ano e podem ser consultados aqui: http://www.centro.portugal2020.pt/index.php/projetos-aprovados.

Posts relacionados