Novo teste rápido facilita diagnóstico de cancro e doenças cardíacas

diagnóstico

Um grupo de investigadores desenhou um novo teste fácil de usar para um diagnóstico mais rápido de doenças não infecciosas, como ataques cardíacos e cancro.

O novo teste funciona ao detetar a presença de sinais moleculares no corpo, os chamados biomarcadores, que já são usados ​​em testes para a COVID-19, onde a presença dos genes SARS-CoV-2 indicam a existência de COVID-19.

Existem também biomarcadores para doenças não infecciosas, como o antígeno específico da próstata (PSA) no sangue, que pode atuar como um biomarcador para indicar a presença de cancro da próstata.

Testes de diagnóstico baseados em ARN ou ADN costumam exigir temperaturas controladas e envolvem várias etapas. Mas este novo teste pode ser usado à temperatura ambiente, através de um processo fácil de usar, pelo que os especialistas acreditam que pode permitir diagnósticos mais rápidos e fáceis.

O novo teste, chamado CrisprZyme, foi desenvolvido por uma equipa de investigadores liderada pelo Imperial College London, MIT e Max Delbrück Center for Molecular Medicine, em Berlim.

“Além de potencialmente aumentar o acesso a diagnósticos nos países em desenvolvimento, esta tecnologia pode aproximar-nos um pouco mais do diagnóstico personalizado em casa ou no consultório”, refere Marta Broto, primeira autora deste trabalho.

Diagnóstico inspirado em CRISPR

CrisprZyme baseia-se nos testes de diagnóstico CRISPR, que usam ARN – o mensageiro que ajuda a criar proteínas – para detetar biomarcadores em fluidos biológicos como sangue ou urina. Na sua forma atual, estes testes detetam ARN e, em seguida, amplificam esse ARN, criando muitas cópias para que o sinal seja mais fácil de ler.

No entanto, estas tecnologias de amplificação devem ter temperaturas controladas para funcionarem, o que requer equipamentos caros. Além disso, embora digam aos médicos se uma doença infecciosa está presente, não podem fornecer informações sobre a quantidade de biomarcadores existente, o que é importante para monitorizar doenças não infecciosas, como doenças cardíacas e cancro.

O CrisprZyme aprimora essa tecnologia, eliminando a necessidade de controlo de temperatura e etapas adicionais e revelando a quantidade de um biomarcador que está presente em uma amostra.

“O nosso teste, como outros, indica quando um biomarcador está presente, mas o CrisprZyme é um diagnóstico mais simples do que os atualmente disponíveis”, reforça Molly Stevens FRS FREng, autora sénio do estudo. “O que também o diferencia é que ele pode dizer-nos quanto de um biomarcador está presente, o que pode ajudar não apenas no diagnóstico de uma doença, mas na monitorização do seu progresso ao longo do tempo e em resposta ao tratamento.”

“Após um maior desenvolvimento e testes em laboratório, esperamos que isso possa ajudar a aproximar-nos da medicina personalizada, na qual o tratamento é adaptado mais especificamente às necessidades dos doentes.”

Posts relacionados