As crianças que vivem em áreas urbanas com níveis altos de poluição do ar, ruído e tráfego podem estar em maior risco de obesidade infantil, revela um estudo do Instituto de Saúde Global de Barcelona (ISGlobal) e do Instituto Universitário de Pesquisa em Atenção Primária Jordi Gol (IDIAP Jordi Gol).

Publicado na revista científica Environment International, o estudo analisou dados de 2.213 crianças com idades entre os nove e os 12 anos da cidade de Sabadell (Barcelona), que participavam em dois projetos (ECHOCAT e INMA) sobre o tema, 40% das quais com excesso de peso ou obesas.

Os investigadores avaliaram a associação entre os fatores urbanos aos quais as crianças foram expostas entre outubro de 2017 e janeiro de 2019 (poluição do ar ambiente, espaços verdes, ambiente construído, densidade de estabelecimentos com alimentos não saudáveis, tráfego rodoviário e ruído do tráfego rodoviário) e várias medidas da obesidade infantil (índice de massa corporal, circunferência da cintura e gordura corporal), assim como os comportamentos relacionados com o peso (fast food e consumo de bebidas açucaradas, atividade física, comportamento sedentário, duração do sono e bem-estar).

Até ao momento, poucos estudos avaliaram se – e de que forma – o ambiente urbano influencia o comportamento das crianças para melhor compreender a relação entre esse ambiente e o risco de obesidade infantil. A compreensão dos mecanismos dessa relação facilitará o desenvolvimento de programas comunitários de promoção da saúde para estimular comportamentos mais saudáveis ​​na cidade.

Outra novidade deste estudo é que avaliou múltiplas exposições urbanas em conjunto, de acordo com o conceito de exposição ou o estudo de múltiplos fatores ambientais simultâneos.

Associação confirmada com a obesidade infantil

“Níveis mais altos de poluição do ar, tráfego e ruído foram associados a um índice de massa corporal mais alto e uma maior probabilidade de a criança apresentar excesso de peso ou obesidade”, explica o autor principal do estudo, Jeroen de Bont, investigador do ISGlobal e do IDIAP Jordi Gol.

Embora os mecanismos que poderiam explicar essa associação permaneçam desconhecidos, a equipa científica propôs várias hipóteses. A poluição do ar pode interromper os mecanismos moleculares que causam a obesidade, induzindo inflamação ou stress oxidativo, distúrbio hormonal e adiposidade visceral (embora os estudos publicados até agora tenham sido realizados em ratos de laboratório).

O ruído pode influenciar a privação do sono e aumentar as hormonas do stress, que estão associados ao desenvolvimento físico na infância e podem aumentar o risco de excesso de peso.

Os resultados foram consistentes com aqueles obtidos no mesmo estudo quando algumas exposições ambientais foram analisadas separadamente. Em particular, o número de estabelecimentos que oferecem alimentos não saudáveis ​​numa área também foi associado à obesidade infantil, provavelmente porque tal ambiente pode favorecer um maior consumo de fast food e maior ingestão calórica.

O estudo não encontrou, no entanto, uma associação entre o ambiente urbano e o nível de atividade física, comportamento sedentário e outros comportamentos relacionados com o peso em crianças, embora se pense que tais fatores possam desempenhar um papel. Por exemplo, em áreas com uma boa rede de transportes públicos e instalações e lojas próximas, as viagens tendem a ser feitas a pé ou de bicicleta, o que aumenta a atividade física das crianças.

O fato de o estudo não ter encontrado uma associação entre estes fatores pode ser atribuída “à dificuldade de determinar em que medida a própria obesidade influencia os comportamentos relacionados com o peso”, explicou o investigador.

Além disso, as informações sobre a atividade física das crianças foram recolhidas através de um questionário que não teve em consideração o local de realização das atividades. “Conseguimos descobrir se as crianças jogavam basquetebol ou futebol, mas não se pedalavam em espaços verdes próximos, por exemplo”, acrescenta.

Finalmente, “o nível socioeconómico desempenha um papel importante na associação entre o ambiente urbano e a obesidade infantil que ainda não está claro”, comenta a última autora Martine Vrijheid, investigadora do ISGlobal.

Neste estudo, as crianças residentes em áreas mais carentes da periferia da cidade apresentaram maiores taxas de excesso de peso e obesidade, embora estivessem expostas a menores níveis de poluição do ar, tráfego rodoviário e ruído e tivessem acesso a mais espaços verdes. Mais pesquisas são necessárias para lançar luz sobre este assunto.