Numa altura em que o distanciamento se configura como medida de segurança para prevenir a infeção pelo novo coronavírus, a adaptação a uma nova realidade é um imperativo para todos. As farmácias procuram dar respostas à altura do desafio, com novos serviços e opções que vão ao encontro das necessidades recém-criadas. É o que acontece com o grupo Holon, que acaba de criar a Plataforma online HolON.

Teleconsultas, apoio domiciliário e aconselhamento farmacêutico através de chat são alguns dos serviços disponíveis. Nuno Machado, diretor-geral das Farmácias Holon, explica ao Notícias Saúde o porquê e como destas novas mudanças.

Nuno Machado, diretor das Farmácias Holon

Nuno Machado, diretor das Farmácias Holon

O que é que diferencia esta plataforma de outros sites que permitem a venda online?

A grande mais valia é o facto de permitir a encomenda de medicamentos com e sem receita médica. É possível marcar consultas online, consultas na farmácia e consultas ao domicílio! Criámos as teleconsultas de Nutrição, Dermofarmácia e Consulta farmacêutica, bem como Serviço Domiciliário de Podologia, Enfermagem e Pé Diabético. Assim, complementarmos a oferta de serviços de que dispomos nas nossas farmácias, apresentando um apoio completo a todos os utentes das farmácias Holon.

O que motivou a aposta nestes serviços específicos? Eram necessidades expressas pelos utentes?

Neste cenário de pandemia, muitas pessoas viram-se limitadas no acesso aos serviços de que habitualmente dispunham, bem como aos medicamentos e produtos de saúde e bem-estar. As pessoas evitaram ao máximo sair de casa. Desta forma, respondemos às necessidades dos utentes durante a fase mais complicada da COVID-19. Neste momento, encaramos a HolON como uma plataforma muito útil e válida para o período pós pandemia.

Quais os objetivos da nova plataforma?

Queremos trazer uma maior acessibilidade aos serviços e cuidados de saúde, mantendo a população o mais segura possível. Por outro lado, evitamos filas de espera e deslocações, algo essencial em tempos de pandemia. De realçar que são as próprias farmácias que efetuam o serviço de venda e entrega dos medicamentos e produtos de saúde e bem-estar.

E qual o público-alvo destas novidades?

Utentes que se identificam mais com o universo digital e ainda pessoas com dificuldades de deslocação/mobilidade. Temos utentes com doenças crónicas a quem neste momento faz sentido continuar em confinamento e ainda utentes mais idosos que não conseguem sair de casa. Esta plataforma oferece diversas soluções de saúde, sem ter de sair de casa. 

Como tem sido a adesão?

Superou as nossas expectativas no arranque e neste momento estabilizou.

Há planos para aumentar o leque de ofertas?

Sim, os Serviços Holon voltaram a estar disponíveis no início de junho. Lançámos o Serviço de Enfermagem Holon, onde os nossos enfermeiros fazem a observação, avaliação e tratamento de feridas cirúrgicas e não cirúrgica. As teleconsultas focam-se em diversas áreas, como a diabetes, hipertensão, Planeamento Familiar, Saúde Materna, Gravidez, Saúde Infantil, Saúde do Idoso e Ostomias. Neste momento, a HolON é uma plataforma completa, com a vertente de encomendas e com a marcação de consultas (online, ao domicílio e nas nossas farmácias).

 Acredita que, de futuro, ultrapassada a atual pandemia, fará sentido continuar com esta aposta ‘à distância’?

Sim, será sempre um complemento à oferta das farmácias Holon e ao nosso serviço farmacêutico.