Quando algo grave acontece a uma pessoa, fisicamente esta até pode estar bem, mas para alguns, o problema estará apenas no início. Eventos profundamente perturbadores ou assustadores, como desastres naturais, acidentes, violações ou conflitos armados causam, naturalmente, medo, ansiedade, agitação e outras emoções imprevisíveis. Mas quando estas respostas fisiológicas permanecem ou ressurgem muito depois de o evento ter passado, isso é o que se chama de perturbação de stress pós-traumático (PTSD).

As consequências desta perturbação podem ser desastrosas, tendo sido associados a este transtorno problemas de depressão, ansiedade, abuso de drogas e problemas graves de saúde mental.

A boa notícia é que há uma saída. Jessica Bonatakis, psicóloga da Penn State Health, nos EUA, e professora de psiquiatria e saúde comportamental da Penn State College of Medicine, é especializada no tratamento de respostas a traumas em crianças, adolescentes, famílias e adultos jovens.

De acordo com a especialista, para entender a PTSD é importante saber que o trauma “é algo que acontece connosco e que não podemos controlar a situação que ameaça a sobrevivência”.

“Podemos vivenciar esse trauma diretamente ou testemunhar o que aconteceu a outra pessoa, podemos vivenciá-lo ao aprender sobre algo traumático que aconteceu a um ente querido ou à nossa comunidade ou podemos vivenciá-lo pela exposição repetida a detalhes de eventos traumáticos através do nosso trabalho, como acontece na área da saúde, da polícia ou no trabalho com crianças e jovens.”

A especialista, também ela vítima de trauma, diz ter passado por todas as quatro formas de exposição ao trauma. As respostas humanas, sejam imediatas, retardadas ou sustentadas, não são patológicas, confirma, mas sim biológicas – uma resposta natural associada a mecanismos de proteção.

“Assim que parei de ver as minhas respostas ao trauma interno como um ‘distúrbio’ e reconheci que o distúrbio estava nas coisas que aconteceram comigo, fui capaz de fazer um movimento em direção à cura”, afirma. “Já não vejo a PTSD como um distúrbio, mas sim como uma adaptação a circunstâncias terríveis de navegação que ocorrem ao longo de um continuum.”

Os sintomas da perturbação de stress pós-traumático

A maioria das pessoas tem respostas ao trauma imediatamente após o evento, embora algumas possam senti-las ao longo de várias semanas. Mas é quando os sintomas persistem por mais de um mês ou se desenvolvem mais tarde que se está perante a PTSD.

Bonatakis confirma que estas respostas são uma tentativa da biologia humana de “dar sentido e processar o que aconteceu no passado, enquanto tenta planear a possibilidade de o evento acontecer novamente no futuro”.

De acordo com a Sociedade Americana de Psiquiatria, os sintomas de PTSD podem ser agrupados em quatro grupos gerais:

– reviver, ou seja, as pessoas podem ter pensamentos ou imagens intrusivas sobre o que aconteceu, pesadelos ou flashbacks e qualquer coisa pode servir como uma recordação do trauma;

– evitar, quando se tentam evitar as memórias, pensamentos e emoções associados ao evento;

– cognições e humor negativos, que pode incluir estados persistentes de ansiedade ou depressão e diminuição do interesse em atividades anteriormente agradáveis;

– excitação e reatividade – as respostas ao trauma podem manifestar-se através de irritabilidade, explosões de raiva ou agressão física. 

Respostas que costumam estar associadas à luta natural da mente ou às suas defesas. “Parece quase sempre desproporcional à situação em questão, mas os nossos sistemas biológicos não conscientes e baseados na sobrevivência estão a perceber uma ameaça no presente”.

De forma semelhante, a especialista diz que as pessoas com a perturbação de stress pós-traumático podem também sentir dissociação, uma sensação de estar distante, como se a pessoa estivesse a observar as coisas a acontecerem fora de si, em vez de as viver diretamente.

Quando procurar ajuda

Segundo esta professora, qualquer pessoa que esteja a pensar em suicídio, a desejar morrer ou desejar estar morta deve procurar ajuda imediata.

Há uma variedade de terapias disponíveis, e chegar ao que é melhor para alguém pode envolver tentativa e erro.

“Digo sempre às pessoas que, se fizerem terapia com alguém e não estiver a funcionar, tudo bem, isso não significa que falharam na terapia. Significa que aquele modelo de terapia específico falhou para elas.”

Além disso, aconselha qualquer pessoa cujas respostas ao trauma interfiram, de alguma forma, na sua vida, a procurar apoio. Isso inclui amigos ou familiares, contar com a comunidade, bem como com terapia.

A capacidade de alguém de se ajustar é muito influenciada pelo apoio que recebe, tanto das pessoas próximas como da sociedade em geral. “Negar e silenciar o que aconteceu pode ser outro trauma para os sobreviventes”, afirma. Porque a cura da perturbação de stress pós-traumático não é feita no vácuo. Em vez disso, os relacionamentos com outras pessoas facilitam o processo.

“Ninguém recupera do trauma sozinho. A sociedade parece enviar-nos mensagens de que cabe a nós, individualmente, lidar com os nossos problemas. Isso pode trazer à tona sentimentos de culpa e dúvida, como, ‘Não sou capaz de fazer isso sozinho, o que isso diz sobre mim?’ Diz que é um sobrevivente que precisa de suporte para trauma. Não há nada de errado com isso. O que está errado é o que aconteceu consigo.”