proteger os olhos da exposição solar

Exposição solar aumenta risco de problemas oculares

Por Bem-estar

Com a chegada do verão e consequente subida da intensidade da luz solar e dos raios ultravioleta (raios UV), as atenções redobram-se com a pele, em busca de proteção. Mas e a visão? “Os cuidados com a visão também devem ser redobrados, de forma a evitar lesões oculares que podem ter graves consequências a curto e a longo prazo”, alerta a Sociedade Portuguesa de Oftalmologia (SPO).

“As pessoas mais expostas à luz solar têm uma maior tendência para desenvolverem certo tipo de doenças oculares”, explicar Nuno Campos, médico oftalmologista da SPO.

“Mais do que a ação aguda dos raios UV sobre os olhos (que pode provocar uma queimadura na superfície ocular – fotoceratite), é o efeito cumulativo de longos períodos expostos à luz solar que tem um efeito mais pernicioso sobre a visão.”

Proteger os olhos da exposição solar

De forma a evitar a ocorrência de problemas oculares, Nuno Campos recomenda algumas medidas de prevenção essências para este verão. Em primeiro lugar, deve-se evitar a exposição solar entre as 11h00 e as 16h00, intervalo de horas em que a exposição aos raios UV é bastante mais elevada.

Para uma maior proteção dos olhos é essencial o uso de óculos de sol com proteção UV, idealmente com lentes de proteção UV 100 por cento ou com a maior  percentagem possível. Óculos que também não devem falta nas piscinas, apropriados para uso nestes espaços.

Os chapéus com abas e/ou palas também são uma ajuda na proteção dos olhos, uma vez que este acessório proporciona uma barreira sobre a radiação solar direta pela sombra que dá.

Se está a ser medicado, o cuidado deve ser redobrado, já que os seus olhos podem estar mais sensíveis à luz solar.  São vários os medicamentos fotossensíveis mas destacam-se, por exemplo, alguns anti-histamínicos, antibióticos ou antidepressivos.  

No caso das crianças até aos cinco, seis anos, estas devem usar essencialmente bonés e chapéus com pala. Só a partir desta idade é que já têm alguma maturidade e devem usar óculos de sol adequados à sua faixa etária.

O especialista alerta também que se deve procurar imediatamente um oftalmologista caso, após exposição solar, os olhos fiquem vermelhos, se sinta ardor, sensação de corpo estranho ou visão enevoada.

De acordo com o especialista, “os cuidados com a saúde ocular devem manter-se ao longo do ano, tudo com um acompanhamento de um médico oftalmologista, que irá providenciar o aconselhamento adequado ao seu paciente, principalmente quando se é portador de alguma doença oftalmológica ou se já foi intervencionado”.

proteger dos raios UV

Pulseira pioneira alerta para risco de raios UV

Por Bem-estar

Gerir a absorção de vitamina D e evitar os danos causados pelos raios UV pode vir a ser tão simples como colocar uma pulseira no braço. Aliás, a inovação agora apresentada por investigadores australianos e espanhóis tem mesmo o formato de uma pulseira, que permite sair à rua e saber, de imediato, quais os efeitos que a radiação solar pode causar na pele.

Desenvolvidas por especialistas do Instituto Real de Tecnologia de Melbourne (Austrália) e da Universidade de Granada (Espanha), inclui um líquido invisível, uma espécie de tinta que ganha cor quando exposta à radiação solar, revelando quatro emojis que vão do alegre ao triste. São estes que indicam se foram ultrapassados em 25%, 50%, 75% e 100% os limites seguros da exposição aos raios ultravioleta. 

Publicado na revista Nature Communications, o estudo que deu origem a esta inovação mostra como o sensor consegue identificar as radiações que compõem o espetro ultravioleta. E isto tendo em conta a pele de cada pessoa, dividida aqui em seis tipos diferentes.

Controlar os níveis de vitamina D e evitar riscos dos raios UV

Uma inovação que, de acordo com os investigadores, vai ao encontro da necessidade de se conhecerem os níveis de exposição solar diária de cada pessoa, algo que o sensor permite. Isto por dois motivos. É que, apesar de os seres humanos precisam de alguma exposição ao sol para manterem níveis saudáveis de vitamina D, a exposição excessiva pode causar queimaduras solares, cancro de pele, cegueira, rugas na pele e sinais prematuros de envelhecimento.

É no encontrar o equilíbrio que tudo se complica, o que torna importante este sensor, que permite identificar o quanto é saudável para cada pessoa.

De baixo custo e de fácil uso até pelas crianças, estes novos sensores podem também ser usados como materiais educativos, através dos quais se pode sensibilizar para os perigos do sol e informar sobre a melhor forma de os evitar.