A lipoaspiração é um termo que é familiar à maior parte das pessoas. O que estas talvez não saibam é que existe outra técnica, muito eficaz, a lipoescultura superficial, que pode ter resultados tão bons ou até melhores.

Desenvolvida e partilhada, em 1993, por Luiz Toledo e por mais dois colegas (Marco Gasparotti e Carson Lewis) e publicada em livro – “Superficial Liposculpture: Manual of Technique” -, é o autor da técnica que explica que “esta combina a aspiração da gordura localizada e, se necessário, a injeção dessa gordura noutras partes do corpo ou da face”. 

Segundo Luiz Toledo, há sempre uma grande procura pela lipoaspiração, desenvolvida para retirar excessos de gordura localizada nas camadas mais profundas da pele.

No entanto, o especialista alerta que a prática da lipoescultura “também trata a camada superficial, a gordura junto à pele, o que permite uma maior retração da área aspirada e um melhor resultado em pessoas que possuem uma maior flacidez”.

Cuidados a ter após a lipoescultura

Apesar de todas as vantagens, esta não é, no entanto, uma técnica que possa ser usada em todas as áreas do corpo. São locais como os braços, o pescoço, as coxas e a parte inferior do abdómen onde esta técnica pode ser eficaz e ter melhores resultados.

A importância da escolha adequada do cirurgião é aqui realçada pelo especialista, que considera não ser “uma  técnica para todos os cirurgiões, já que é difícil de executar e, caso seja feita de modo errado, pode provocar defeitos e irregularidades na pele”.

Os cuidados do pós-operatório são os mesmos que os da lipoaspiração, explica Luiz Toledo, e passam por “andar dois km por dia a partir do segundo dia, repouso relativo, utilizar uma cinta modeladora durante três a quatro semanas, não conduzir durante uma semana e só fazer exercício-físico após 30 dias”.