São muitos os que acreditam que fazer sestas é uma atividade inofensiva. Aliás, têm sido vários os estudos que salientam os benefícios de fechar os olhos durante alguns minutos. No entanto, um grupo de especialista mostrou agora que dormir à tarde por mais de uma hora pode ser arriscado. 

“Fazer uma sesta é comum em todo o mundo e geralmente é considerado um hábito saudável”, confirma o autor do estudo, Zhe Pan, especialista da Guangzhou Medical University, na China.

“Uma visão comum é que dormir a sesta melhora o desempenho e neutraliza as consequências negativas do ‘débito do sono’. O nosso estudo desafia essas opiniões amplamente difundidas.”

Os riscos das sestas

Investigações anteriores sobre a ligação entre sestas e morte ou doenças cardiovasculares produziram resultados divergentes. Além disso, não tiveram em consideração a duração do sono noturno.

Este estudo resumiu as evidências disponíveis para avaliar a relação entre sestas e o risco associado a todas as causas de morte e doenças cardiovasculares. Um total de 313.651 participantes em cerca de 20 estudos foram incluídos na análise, com 39% destes praticantes da sesta.

A análise verificou que sestas longas (mais de 60 minutos) foram associadas a um risco 30% maior de morte por todas as causas e a uma probabilidade 34% superior de doença cardiovascular, em comparação com a ausência de sestas.

Quando o sono noturno foi tido em conta, as sestas mais longas foram associados a um risco elevado de morte apenas para aqueles que dormiam mais de seis horas por noite.

No geral, fazer uma sesta, seja qual for a sua duração, revelou-se estar associada a um risco elevado de morte de 19%. Uma relação ainda mais forte nas mulheres, que apresentaram uma probabilidade 22% superior de morte com as sestas, em comparação com aquelas que não as fazem e os participantes mais velhos, que viram o seu risco aumentar 17% com as sestas.

Sestas mais curtas (menos de 60 minutos) não revelaram risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares. Segundo Pan, “os resultados sugerem que as sestas mais curtas (sobretudo aquelas com menos de 30 a 45 minutos) podem melhorar a saúde do coração em pessoas que dormem insuficientemente à noite”.

As razões pelas quais a soneca afeta o corpo ainda são incertas, avança o especialista, mas alguns estudos sugeriram que destas longas estão associadas a níveis mais elevados de inflamação, o que é arriscado para a saúde do coração e longevidade. 

Por isso, o investigador deixa o conselho: “se quiser fazer uma sesta, o nosso estudo indica que é mais seguro que dure menos de uma hora. Para aqueles de nós que não têm o hábito de dormir durante o dia, não há evidências convincentes para começar a fazê-lo”.