Já se sabe que a obesidade aumenta o risco de desenvolver mais de uma dúzia de tipos diferentes de cancro. Aquilo que continuava por saber e a que agora um novo estudo da Universidade de Bergen (UiB), na Noruega, dá resposta é o porquê de tal acontecer.

O cancro é causado por alterações genéticas que mudam as restrições normais ao crescimento das células. Sabe-se que a obesidade e o excesso de peso aumentam o risco de desenvolver cancro, mas a pergunta, pelo menos até agora, era: porquê? Investigadores da Universidade de Bergen encontraram a resposta, ao demonstrar que os lipídeos associados à obesidade tornam as células cancerígenas mais agressivas e propensas a formar tumores reais.

Os especialistas descobriram que as alterações ao ambiente à volta das células cancerígenas, que acontecem quando se passa de um corpo com peso normal para um corpo com excesso de peso ou obeso, obrigam a célula cancerígena a um processo de adaptação, algo que permite que as células malignas formem um tumor.

“Mesmo na ausência de novas mutações genéticas, a obesidade aumenta o risco de formação de tumores”, refere o professor associado Nils Halberg, um dos cientistas envolvido no estudo.

A obesidade é a causa de aproximadamente 500.000 novos casos de cancro todos os anos, um número que se espera venha a aumentar à medida que as taxas de obesidade continuam também elas a crescer.

“Dissecar cientificamente a forma como estas duas doenças complicadas interagem foi extremamente interessante e gratificante, sobretudo porque este novo entendimento permitirá aos investigadores desenhar tratamentos aprimorados para as pessoas obesas com cancro”, acrescenta Halberg.