Projeto integrado pela Universidade de Coimbra conquista mais de 2 milhões de euros para apoiar jovens sobreviventes de cancro

cancro

Apoiar jovens sobreviventes de cancro através da criação de ferramentas para a promoção de um estilo de vida saudável e quebrar o estigma associado aos sobreviventes desta doença são os objetivos centrais do projeto europeu “Outdoor Against Cancer Connects Us” (OACCUs). Um projeto que junta 14 parceiros oriundos de seis países europeus, entre os quais a Universidade de Coimbra (UC), e que conquistou um financiamento de 2.4 milhões de euros ao abrigo do programa EU4Health, promovido pela Comissão Europeia para apoiar projetos na área da saúde. O arranque já foi dado e vai estender-se até dezembro de 2023.

Centrado no trabalho junto dos sobreviventes de cancro, o projeto pretende estabelecer também uma rede ativa e sustentada de jovens afetados pela doença, para que possam acolher e apoiar os seus pares que lidam também com o cancro.

Esta iniciativa europeia, coordenada pela Universidade de Umeå, da Suécia, reúne uma equipa multidisciplinar, com profissionais das áreas de desporto, medicina, enfermagem, educação, jornalismo, sociologia e psicologia.

Paula Tavares, docente da Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física da Universidade de Coimbra (FCDEFUC) e coordenadora do projeto em Portugal, explica que o OACCUs se vai focar em quatro pilares: “na promoção de um estilo de vida saudável através do exercício físico, especialmente ao ar livre; no bem-estar psicológico e social; na alimentação saudável, adotando o máximo de alimentos não processados quanto possível; e na preservação do meio ambiente, contribuindo para um planeta saudável, que são os quatro pilares de atuação do projeto Outdoor Against Cancer (OAC)”.

A atuação nestes quatro domínios vai ser feita de forma faseada, criando ferramentas que vão contribuir para a promoção de um estilo de vida saudável nos sobreviventes de cancro envolvendo amigos, família e a sociedade em geral. O projeto culmina com a formação de embaixadores, que futuramente vão apoiar outros sobreviventes, permitindo que “também eles adotem comportamentos mais saudáveis, principalmente o exercício físico em contacto com a natureza”, revela Paula Tavares.

Sensibilizar para o cancro

Além deste acompanhamento e formação, o objetivo do projeto passa também “por encontrar pontos que permitam intervir numa população que sofre não só da doença, mas num caráter preventivo através da prática de exercício físico e da aplicação dos restantes pilares de uma vida saudável”, salienta a docente da Universidade de Coimbra.

Neste âmbito, o “Outdoor Against Cancer Connects Us” pretende também “encontrar ferramentas para sensibilizar a própria sociedade para o facto de alguém que sobreviveu a um cancro não ter uma sentença de morte e, por isso, poder ter uma vida com qualidade e saudável”, acrescenta.

No futuro, o projeto pretende também apoiar não apenas os sobreviventes de cancro e o trabalho das 14 instituições parceiras, mas promover também a utilização das informações e ferramentas desenvolvidas por parte de outros jovens e estruturas em prol da melhoria da qualidade de vida de sobreviventes de cancro.

Posts relacionados