Para a prevenção do cancro da mama, a qualidade da dieta é importante

dieta

São vários os estudos que mostram que o que comemos pode influenciar o nosso risco de cancro. No entanto, nem sempre é claro quais os alimentos ou padrões alimentares que são os melhores para a prevenção dos tumores malignos. Agora, um novo trabalho sugere que a qualidade ou a saúde geral da dieta de uma pessoa pode ser fundamental, sobretudo no que diz respeito à prevenção do cancro da mama.

Baseado em dados de mais de 65.000 mulheres na pós-menopausa que foram rastreadas ao longo de mais de duas décadas, o estudo descobriu que uma dieta saudável à base de plantas se encontra associada a um risco 14% menor de cancro da mama, enquanto uma dieta à base de plantas não saudável associa-se a um risco 20% maior deste tipo de tumor e isto independentemente do subtipo de cancro.

“Estas descobertas destacam que o aumento do consumo de alimentos vegetais saudáveis ​​e a diminuição do consumo de alimentos vegetais e animais menos saudáveis ​​pode ajudar a prevenir todos os tipos de cancro da mama”, afirma Sanam Shah, especialista da Universidade Paris-Saclay, Inserm, Gustave Roussy, em França.

Estudos anteriores examinaram os riscos de cancro associados a vários padrões alimentares, como a dieta ocidental, a dieta mediterrânica e as dietas vegetarianas. Embora alguns sugiram que as dietas com menos ou nenhum consumo de carne oferecem benefícios para a saúde, os resultados foram um pouco mistos.

Para o novo estudo, os investigadores concentraram-se na diferenciação entre alimentos saudáveis ​​à base de plantas – como grãos integrais, frutas, legumes, nozes, legumes, óleos vegetais e chá ou café – e alimentos à base de plantas, que os especialistas categorizaram como menos saudáveis, incluindo sumos de frutas, grãos refinados, batatas, bebidas açucaradas e sobremesas.

“O que é diferente no nosso estudo é que podemos separar os efeitos da qualidade dos alimentos vegetais, o que não foi o foco de estudos anteriores sobre outros padrões alimentares”, afirma Shah. “Ao pontuar os alimentos como saudáveis, não saudáveis ​​e de origem animal, analisamos de forma abrangente a ingestão de alimentos, considerando a ‘saudabilidade’ dos grupos alimentares.”

Dieta e cancro, uma relação que pede mais estudos

A análise feita a 65.574 mulheres na pós-menopausa, residentes em França e acompanhadas ao longo de uma média de 21 anos, revelou diferenças significativas no risco de cancro entre aquelas com alimentação saudável ​​e não saudável.

Os especialistas usaram 18 grupos de alimentos para categorizar o grau em que os participantes aderiram a uma dieta baseada em vegetais versus uma dieta baseada em animais e ingeriram alimentos saudáveis ​​versus menos saudáveis.

Embora as descobertas sugiram que a escolha de alimentos saudáveis ​​à base de plantas é provavelmente útil para a prevenção do cancro, Shah observou que são necessárias mais estudos para avaliar as relações entre a dieta e o risco de cancro em diferentes populações, sobretudo para determinar a causalidade.

Posts relacionados