Ter cancro de pele já é mau. Mas para quem fuma, pode ser ainda pior, revela um estudo, que confirma que os doentes com melanoma e com um passado associado ao tabagismo têm uma probabilidade 40% inferior de sobreviver ao tumor.

Realizado junto de mais de 700 pessoas com diagnóstico de melanoma, a forma mais agressiva de cancro de pele, o estudo aponta para a relação perigosa entre o cancro e o tabaco, sugerindo que o segundo tem a capacidade de prejudicar a resposta imunitária contra o primeiro e reduzir a sobrevida.

Descobertas feitas por investigadores da Universidade de Leeds, publicadas na revista científica Cancer Research, que acrescenta mais uma razão à já longa lista de motivos pelos quais as pessoas devem abandonar o vício do tabaco.

Fumo afeta sistema imunitário

Em geral, e de acordo com os investigadores, os fumadores têm uma probabilidade 40% inferior de sobreviver à doença, quando comparando com aqueles que nunca fumaram.

E isto porque, acrescentam, o fumo dos cigarros afeta diretamente a forma como o organismo responde às células cancerígenas do melanoma, explica Julia Newton-Bishop, principal autora do estudo e professora de dermatologia da Universidade de Leeds. 

“O sistema imunitário é como uma orquestra, com múltiplas partes. Esta investigação sugere que fumar pode atrapalhar a forma como funciona em sintonia, permitindo que os músicos continuem a tocar, mas possivelmente de uma forma mais desorganizada”.

“O resultado é que os fumadores ainda podem montar uma resposta imunitária para tentar destruir o melanoma, mas parece ser menos eficaz do que a dos não fumadores”, acrescenta a especialista

Por isso, e com base nestas descobertas, “parar de fumar deve ser altamente recomendado para pessoas diagnosticadas com cancro de pele”.

Ajuda para deixar de fumar

Os investigadores acreditam que o fumo pode ter um impacto no sistema imunitário dos doentes, capaz de alterar a sua capacidade para combaterem o cancro de pele, assim como aumentar o risco de outros problemas de saúde associados ao tabagismo.

“No geral, estes resultados revelam que fumar pode limitar a probabilidade de sobrevivência dos doentes com melanoma. Por isso, é especialmente importante que recebam todo o apoio possível para deixar de fumar”, acrescenta Julie Sharp, responsável do Cancer Research UK, instituição que financiou o estudo.