Uma nova variante da Covid-19, denominada pela Organização Mundial da Saúde de B.1621 ou mu, está a ser monitorizada pelos investigadores. John O’Horo, médico de doenças infecciosas da Mayo Clinic, nos EUA, revela o que é importante saber sobre esta e outras variantes.

“A variante delta é, de fato, a estirpe predominante em todo o lado neste momento. E, embora seja importante que os cientistas e as autoridades de saúde pública estejam atentos, ainda estamos numa posição em que a variante mu é algo a ser acompanhado para o futuro, e não uma preocupação.”

A altamente infecciosa variante delta é duas vezes mais contagiosa do que as variantes anteriores e foi identificada pela primeira vez na Índia, em dezembro de 2020. A variante mu foi identificada em janeiro deste ano na Colômbia, mas as mutações do SARS-CoV-2, o vírus responsável pela Covid-19, têm surgido desde o início da pandemia.

“Cada uma destas variantes é classificada, em parte, em função do número de mutações que possui à volta do próprio vírus, e algumas dessas mutações virais acontecem à volta de algo chamado proteína espícula, que é usada para, de facto, entrar nas células e causar a infeção”, afirma o O’Horo. “E isso também é o alvo de muitas vacinas.”

“Quanto mais variarem em relação ao vírus original, maior é a preocupação de que possam fugir a alguns dos sistemas imunitários que circundam a proteína espícula. Podemos observar, com a variante delta, que as vacinas ainda são capazes de se ligar a ela e neutralizá-la a um nível suficientemente alto para evitar as hospitalizações e infeções graves. Quando observamos variantes como a mu, a preocupação e a pergunta que ainda está sem resposta é até que ponto elas conseguiram infiltrar-se.”

Há três classificações dadas às variantes do SARS-CoV-2 em função da facilidade de propagação, da gravidade dos seus sintomas e da forma como são tratadas: variante de interesse, variante de preocupação e variante com consequências elevadas.

O’Horo explica as classificações como “o quadro de ameaças utilizado por alguns dos cientistas para acompanhar estas variantes. Eles procuram verificar quais delas são comprovadamente causadoras de doenças significativas e têm maior transmissão, como a delta; quais são as variantes preocupantes por terem potencial de propagação e estarem a ser registadas em mais áreas, sendo algo a acompanhar de perto, como no caso da mu: esta seria uma variante de preocupação. E as variantes que estão a surgir e em que causam mais preocupações hipotéticas, mas convém estar atento, são as variantes de interesse”.

A vacinação continua a ser a etapa mais importante para evitar doença grave decorrente da infeção pela Covid-19. 

“A vacinação ainda é altamente eficaz. Apesar de haver relatos de avanços nos casos de Covid-19, eles tendem a ser muito menos severos e muito menos frequentes.”