Um relatório da revista mBio, publicado pela Sociedade Americana de Microbiologia, descreve um protótipo de uma vacina que pode levar de vencida a bactéria responsável pela gonorreia, uma infeção sexualmente transmissível que afeta homens e mulheres. Não tratada, pode causar infertilidade nas mulheres.

“A disseminação global de estirpes multirresistentes da bactéria constitui uma emergência de saúde pública”, refere Peter A. Rice, professor de medicina na Divisão de Doenças Infecciosas e Imunologia e autor sénior do relatório.

“Com as opções de tratamento com antibióticos se tornando limitadas, há uma necessidade urgente de desenvolvimento de uma vacina segura e eficaz contra a gonorreia”, disse Peter A. Rice, MD , professor de medicina na Divisão de Doenças Infecciosas e Imunologia da Escola de Medicina da Universidade do Massachusetts (EMUM) e autor sénior do relatório.

“A equipa da EMUM desenvolveu um candidato a vacina contra a gonorreia, um peptídeo complexo que é produzido economicamente com um elevado grau de pureza. O candidato provoca anticorpos e foi eficaz num modelo de infeção experimental pré-clínica.”

Descoberta mais importante contra a gonorreia nos últimos 40 anos

Atualmente, não existe vacina contra a gonorreia que efetivamente previna ou reduza a doença em humanos e tornou-se resistente a quase todos os antibióticos em uso clínico, o que é preocupante, sobretudo tendo em conta que o número de casos relatados está a aumentar rapidamente – no mundo, em 2016 contaram-se 87 milhões de casos.

Uma vacina económica e eficaz ajudaria a travar a propagação global de um organismo perigoso e resistente a vários medicamentos.

O candidato a vacina, um composto sintético, foi testada numa variedade de doses e intervalos de administração num modelo animal e provocou uma resposta imunitária durável e robusta, que reduziu significativamente a duração da infeção e o nível de colonização da bactéria.

“Esta vacina é o candidato mais promissor desenvolvido em 40 anos”, refere Rice. “Do ponto de vista da saúde pública, mesmo uma diminuição no ónus e duração da infeção pode ter efeitos profundos na patologia e transmissão da doença. Além disso, a prevenção representa um objetivo importante no desenvolvimento de uma vacina segura, económica e eficaz, que possa ser usada em áreas de recursos limitados, onde as taxas de gonorreia são altas.”