O progressivo envelhecimento populacional, a evolução tecnológica que, através da inovação, tem permitido a introdução de novos medicamentos e meios de diagnóstico mais eficazes, assim como as expectativas da população são variáveis que, juntas, pressionam os sistemas de saúde. A necessidade de investimento aumenta, assim como as restrições orçamentais, o que torna necessário e urgente repensar modelos e formas de financiamento da saúde.

É sobre estas questões que se pretende refletir na 11ª edição do Fórum do Medicamento, uma iniciativa que tem lugar esta sexta-feira (15 de novembro), na Sala Sophia de Mello Breyner do Centro Cultural de Belém.

Subordinado ao tema “Equidade, Efetividade e Sustentabilidade no acesso à inovação”, a Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares (APAH), em parceria com a AstraZeneca, convida a que se faça uma análise e discussão da equidade e efetividade no acesso aos medicamentos inovadores nos hospitais do Serviço Nacional (SNS).

Uma reflexão que será alimentada pela apresentação pública dos resultados do “Índex nacional do acesso ao medicamento hospitalar”, um estudo promovido pela APAH em parceria com a Ordem dos Farmacêuticos e com o apoio científico Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa.

Na edição deste ano serão ainda debatidos os desafios do financiamento de medicamentos inovadores e a necessidade de serem encontradas respostas inovadoras face aos novos desafios que se colocam aos sistemas de saúde.