O tratamento oncológico pode passar por mais investigação e aplicações clínicas na área da física médica. A sugestão vem da Universidade de Texas, nos EUA, que se junta ao Governo português que, nas suas orientações estratégicas nacionais, prevê a criação de uma unidade de saúde para o tratamento de doentes com cancro com recurso a terapias de feixes de partículas de elevada energia.

É nesse sentido que investigadores do MD Anderson Cancer Center (MDACC), da Universidade do Texas, um dos mais conhecidos centros do mundo dedicado exclusivamente à investigação, educação e prevenção de pessoas com cancro com recurso a técnicas inovadoras, nomeadamente terapia de protões, vêm a Portugal.

No âmbito da parceria internacional UT Austin Portugal, os especialistas vão estar, juntamente com outros nomes internacionais, em Coimbra, nos dias 12 e 13 de dezembro.

Tratamento oncológico inovador

O objetivo é reunir cerca de 150 profissionais, entre médicos, engenheiros biomédicos, físicos, enfermeiros, técnicos de imagiologia médica, de radioterapia, investigadores e até mesmo estudantes destas áreas, para debater os novos desafios na área da física médica e identificar novas oportunidades de colaboração entre o MDACC e as instituições de investigação portuguesas que atuam nesta área.

“Além de investigadores de instituições portuguesas, vão estar também profissionais do MD Anderson Cancer Center e German Cancer Research Center, para juntos discutir as tendências atuais e promover o intercâmbio de conhecimentos em Física Médica, nomeadamente em abordagens inovadoras em radioterapia, terapia com radionuclídeos e terapia com protões a merecerem um lugar de destaque na agenda do debate”, explica Maria Filomena Botelho do Coimbra Institute for Clinical and Biomedical Research.

O debate, intitulado ‘New Challenges in Medical Physics’, vai decorrer nas instalações da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra que, juntamente com o Instituto para Investigação Clínica e Biomédica de Coimbra e o Centro de Investigação em Meio Ambiente, Genética e Oncobiologia, será responsável pela coordenação científica deste evento, que é o primeiro na área da física médica organizado pelo Programa UT Austin Portugal.