A Associação Portuguesa de Bioindústrias (P-BIO) tem um novo presidente. Numa altura em que comemora 20 anos de atividade, Simão Soares, membro do Climate Reality Leader, projeto criado pelo antigo vice-presidente americano Al Gore, assume os destinos da associação.

Simão Soares é CEO da SilicoLife, empresa de biotecnologia que combina inteligência artificial com biologia para o desenho de processos biológicos sustentáveis para a produção de químicos.

É mestre em bioinformática pela Universidade do Minho, pós-graduado em gestão pela Nova School of Business and Economics e formado em Blue Ocean Strategy pelo INSEAD, sendo ainda membro da comunidade Global Shapers, uma iniciativa do Fórum Económico Mundial.

Realçar o potencial das bioindústrias

A nova direção conta ainda com AJosé Leal (Ophiomics) como vice-presidente, Joana Branco (Biocant Park) como tesoureira e Teresa Gesteiro (Pfizer) e David Braga Malta (LiMM Therapeutics) como vogais. A Mesa da Assembleia Geral tem Filipe Assoreira como presidente e Bruno Sommer Ferreira (Biotrend) e Fernando Canhão (Alexion) como vogais. Por fim, o Conselho Fiscal é presidido por Sérgio Simões (Luzitin) e tem Bruno Santos (Immunethep) e Nuno Silvério (Merck), como vogais.

Um grupo que assume como prioridade a comunicação do setor e dos seus associados, procurando que a biotecnologia faça parte da agenda de desenvolvimento do País.

A associação pretende continuar a trabalhar como o interlocutor de referência na discussão de legislação que, por exemplo, afete as doenças raras e a avaliação de medicamentos, e a promoção o conhecimento e o entendimento do potencial das bioindústrias.

Simão Soares considera que “esta nova equipa reúne especialistas das diferentes áreas da biotecnologia, da saúde à indústria, iremos continuar a trabalhar para colocar Portugal como um polo de desenvolvimento em biotecnologia e ambicionar um papel central na bioeconomia”.

Com cerca 40 empresas nacionais e multinacionais entre os seus membros, a P-BIO aposta num sector de bioindústrias competitivo, gerador de valor acrescentado e criador de emprego baseado na qualidade científica de nível internacional e na excelência de recursos humanos existentes em Portugal.