doentes transplantados

SPT defende prioridade na vacinação para os doentes transplantados

Por COVID-19

As prioridades de vacinação para a Covid-19 foi alvo de debate no XV Congresso Português de Transplantação, um evento que decorreu, em formato virtual, entre 24 a 26 de março. Organizado pela Sociedade Portuguesa de Transplantação (SPT),  o congresso contou com cerca de 400 especialistas da área da transplantação, incluindo especialistas brasileiros, canadianos, espanhóis, entre outros, que defendem que os doentes transplantados devem fazer parte das listas de prioritários.

Ler Mais

transplantados e a covid-19

SPT alerta para “lado oculto” da epidemia COVID-19 e impacto nos transplantados

Por COVID-19

Em pleno cenário de luta contra um vírus que nos mudou a vida, a Sociedade Portuguesa de Transplantação (SPT) faz uma reflexão sobre o tema, numa carta aberta onde alerta para “os danos colaterais nos doentes que têm a infelicidade de ser acometidos por eventos de saúde agudos ou portadores de doenças crónicas”, neste caso específico, os doentes transplantados ou à espera de transplante.

Ler Mais

Dia da transplantação

Acaba de nascer o Dia Nacional do Transplante

Por País

Há muito que a Sociedade Portuguesa de Transplantação o reclamava, como forma de reconhecimento aos dadores e famílias e aos profissionais de saúde, e ainda para recordar à sociedade que a doação de órgãos ajuda a salvar a vida ou contribui para melhorar a qualidade de vida de muitos doentes. Nesse sentido, o Governo decidiu instituir o dia 20 de julho como Dia Nacional da Doação de Órgãos e da Transplantação.

O diploma que o torna oficial foi publicado esta sexta-feira (28), em Diário da República. No documento, é reforçada a importância da transplantação de órgãos para a saúde dos doentes, “na medida em que oferece grandes benefícios terapêuticos e é, em situações de falência terminal de órgãos, o único tratamento disponível”.

E é ainda salientado que a disponibilidade de órgãos para transplantação “depende exclusivamente da generosidade dos cidadãos, da sua predisposição para a dádiva voluntária e gratuita em vida ou após a morte”.

“A doação de órgãos é um gesto de extremo altruísmo, um dos maiores atos de generosidade entre os seres humanos.”

50 anos de transplantação em Portugal

Realizado com rim de dador vivo, o primeiro transplante de órgãos em Portugal foi feito no dia 20 de julho de 1969, nos Hospitais da Universidade de Coimbra, por uma equipa médica liderada pelo Professor Linhares Furtado.

Mais de uma década depois, em 1980, foram feitos os primeiros transplantes com rim de dador falecido. Sucederam-se outros transplantes de órgãos, fígado, coração, pâncreas, pulmão, bem como transplantes de tecidos e células.

Nos últimos 30 anos a transplantação em Portugal tem tido um desenvolvimento notável, assistindo-se a um aumento progressivo dos níveis de doação e a uma evolução técnica e organizacional que colocaram Portugal na vanguarda da transplantação mundial.

congresso de transplantes

Tráfico e comércio de órgãos em destaque em Coimbra

Por Atualidade

As rotas clandestinas da transplantação, o tráfico e o comércio de órgãos é um dos temas em destaque no XVII Congresso Luso Brasileiro de Transplantação, organizado pela Sociedade Portuguesa de Transplantação (SPT), que reúne especialistas portugueses e brasileiros de todas as áreas de órgãos transplantados, num encontro que arranca esta quinta-feira em Coimbra.

Ao longo de três dias, serão apresentadas as principais inovações e trabalhos de investigação nas várias áreas de órgãos transplantados, contando-se ainda com a presença de especialistas espanhóis, cujo país tem a maior taxa de doação por milhão de habitantes no mundo.

Alexandre Linhares Furtado é um nome que dispensa apresentações. O médico, pioneiro na área da transplantação em Portugal, tendo realizado realizado o primeiro transplante renal e o primeiro transplante hepático sequencial, vai marcar também presença, com uma palestra sobre “Medicina e Arte”.

Maior evento sobre transplantação no País

Susana Sampaio, presidente da SPT, adianta que “este é o maior evento sobre transplantação no nosso país, com organização portuguesa”.

E acontece “fruto de um acordo de cooperação com a congénere brasileira, a Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos, e que pressupõe a organização alternada deste congresso, que tem como objetivo a troca de experiências e conhecimentos. Importa referir que o Brasil tem uma das unidades que mais transplanta no mundo”.

Este evento irá coincidir com a XIV Congresso Português de Transplantação, reunião anual da SPT, na qual serão divulgados os vencedores da Bolsa de apoio à Investigação e Bolsa de apoio à Publicação.

Mais meios para os transplantes

Mais recursos necessários para manter bons resultados nos transplantes

Por País

Apesar de, no ano passado, se terem batido recordes em termos de transplantes feitos em Portugal, há um grande trabalho pela frente para manter os bons resultados, defende a Sociedade Portuguesa de Transplantação (SPT), por ocasião das celebrações do Dia do Transplante.

“Fomos, em 2017, os segundos a nível mundial, com 34 dadores por milhão de habitante”, afirma Susana Sampaio, presidente da SPT, que salienta, no entanto, que para pelo menos manter estes números é necessário aumentar o número de elementos das equipas de cuidados intensivos, coordenação e das unidades de transplantação.

“É notório o esforço desenvolvido por todas as equipas que se encontram a trabalhar no limite sem que haja investimento da tutela nesta área, quer a nível de recursos humanos quer a nível de infraestruturas.”

Petição pede Dia Nacional do Transplante

A SPT aproveita, por isso, para deixar este alerta e aproveita as celebrações de mais um Dia do Transplante para recordar a petição, que convida todos os portugueses a assinar, que reclama que este dia se torne uma efeméride nacional, com a criação do Dia Nacional do Transplante.

Uma forma, explica, “de homenagear, em primeiro lugar, todos os dadores, os recetores, assim como todos os profissionais envolvidos nesta área”.

A arte e os transplantes

Este ano, o Dia do Transplante, assinalado a 20 de julho, celebra-se em Coimbra, subordinado ao tema ‘Os Transplantes e a Arte’.

Uma relação muito evidente no início da transplantação, explica Susana Sampaio, quando “os seus pioneiros de alguma forma necessitaram de possuir arte e engenho para ultrapassar as dificuldades que sentiram, numa época em que esta técnica dava os primeiros passos”, mas que não desapareceu nos dias de hoje.

“A arte é uma das melhores formas de o ser humano expressar as suas emoções e sentimentos. E o mundo da transplantação pode ser uma avalanche de emoções, quer para os dadores, para os recetores e mesmo para os profissionais de saúde.”

No Dia do Transplante pretende-se “homenagear todos os intervenientes na transplantação e chamar a atenção para a transplantação através da ARTE e ao mesmo tempo divulgar algumas das suas expressões”, refere a presidente da SPT, que chama a ainda a atenção para a necessidade procurar  ir mais além.

Dado que o número de dadores falecidos não consegue suprir as necessidades de órgãos para os doentes em lista de espera, uma forma de aumentar a doação é através da doação em vida. “São, por isso, necessárias campanhas, para sensibilizar potenciais dadores e profissionais de saúde, que poderão ajudar a responder a todas as dúvidas que possam surgir.”